ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE PORTA ABERTA: ACESSO E DESAFIOS DA COMUNICAÇÃO INTERPROFISSIONAL EM REDE

Resumo

O bjetivou-se compreender como se apresentam o acesso e os fluxos de comunicação entre as equipes do Centro de Atenção Psicossocial, da Estratégia Saúde da Família e da Saúde Indígena na atenção à saúde mental. Estudo exploratório-descritivo, com abordagem qualitativa. Foram utilizadas como técnicas de coleta de informações a entrevista semiestruturada e o diário de campo. A sistematização dos dados deu-se pela análise do conteúdo, a qual originou as seguintes categorias empíricas: acesso ao Centro de Atenção Psicossocial, instrumentalização da comunicação e comunicação interprofissional. A compreensão sobre as formas de acesso e o estabelecimento dos fluxos de comunicação existentes entre estes serviços evidenciaram que o acesso ao Centro de Atenção Psicossocial vem sendo garantido pela atenção horizontal, diante do reconhecimento das necessidades e fragilidades do território. No entanto, esse percurso encontra desafios inerentes à integração entre os serviços de atenção primária e saúde mental. A principal causa se dá pela precarização da guia de referência e contrarreferência em papel, como principal estratégia de comunicação e garantia do acesso aos cuidados primários em saúde mental, além da ausência de apoio tecnológico e logístico que favoreça essa integração na Rede de Atenção à Saúde. É a partir da identificação das necessidades de saúde dos usuários e dos trabalhadores que o operam que a promoção do acesso e a garantia de atendimento serão assegurados.

Biografia do Autor

Israel Coutinho Sampaio Lima, Universidade Estadual do Ceará (UECE)
Bolsista pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Doutorando em Saúde Coletiva (UECE). Centro de Ciências da Saúde da Universidade Estadual do Ceará.
Paulo Henrique de Almeida Rodrigues, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Doutor em Saúde Coletiva pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Professor do departamento de saúde coletiva do Instituto de Medicina Social (UERJ).
José Jackson Coelho Sampaio, Universidade Estadual do Ceará (UECE)
Doutor em Saúde Coletiva pelo Instituto de Médicina Social (UERJ). Docente do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva (UECE).

Referências

BRASIL. Instituto Brasileiro de Pesquisa e Estatística (IBGE). Censo Demográfico 2010: cidade de Crateús, Ceará, Brasil. Brasília: IBGE; 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.088, de 23 de Dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde mental e atenção básica: o vínculo e o diálogo necessários. Circular Conjunta n. 01/03, de 13 de novembro de 2013. Brasília: Ministério da Saúde; 2013a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica, n. 34: saúde mental. Brasília: Ministério da Saúde; 2013b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2017.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

ELLERY, A.E.L. Interprofissionalidade. In: CECCIM, R.B. et al. EnSiQlopedia das residências em saúde. Porto Alegre: Rede UNIDA; 2018. p.146-50.

GIL, A.C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6 ed. São Paulo: Gen/atlas; 2016.

GIOVANELLA, L. et al . Saúde da família: limites e possibilidades para uma abordagem integral de atenção primária à saúde no Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 14, n. 3, p. 783-794, June 2009.

GOMES, F.M.; SILVA, M.G.C. Programa Saúde da Família como estratégia de atenção primária: uma realidade em Juazeiro do Norte. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 16, supl. 1, p. 893-902, 2011.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Mental health atlas 2017. Geneva: World Health Organization; 2018.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). World Organization of Family Doctors (WONCA). Integração da saúde mental nos cuidados de saúde primários: uma perspectiva global. WHO; WONCA: Lisboa; 2008.

MATTOS, Ruben Araujo de. A integralidade na prática (ou sobre a prática da integralidade). Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 20, n. 5, p. 1411-1416, Oct. 2004 .

MENDES, E.V. A construção social da atenção primária à saúde. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde – CONASS; 2015.

MERHY, E.E.; FEUERWERKER, L.C.M. Novo olhar sobre as tecnologias de saúde: uma necessidade contemporânea. In: MANDARINO, A.C.S.; GOMBERG, E. Leituras de novas tecnologias e saúde. São Cristóvão: Editora UFS; 2009. p.29-74.

NORA, C.R.D.; JUNGES, J.R. Política de humanização na atenção básica: revisão sistemática. Rev. Saúde Pública, São Paulo , v. 47, n. 6, p. 1186-1200, Dec. 2013 .

QUINDERE, P.H.D.; JORGE, M.S.B.; FRANCO, T.B. Rede de Atenção Psicossocial: qual o lugar da saúde mental?. Physis, Rio de Janeiro , v. 24, n. 1, p. 253-271, Mar. 2014 .

RODRIGUES, P.H.A.; SANTOS, I.S. Saúde e Cidadania: uma visão histórica e comparada do SUS. 2°ed. São Paulo: Editora Atheneu; 2011.

SERRA, C. G.; RODRIGUES, P.H.A. Avaliação da referência e contrarreferência no Programa Saúde da Família na Região Metropolitana do Rio de Janeiro (RJ, Brasil). Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 15, supl. 3, p. 3579-3586, Nov. 2010 .

STARFIELD, B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, Ministério da Saúde; 2002.

SILVA, M.B.B. Atenção psicossocial e gestão de populações: sobre os discursos e as práticas em torno da responsabilidade no campo da saúde mental. Physis, Rio de Janeiro , v. 15, n. 1, p. 127-150, June 2005 .

VIEGAS, S.M.F; PENNA, C.M.M.. O SUS é universal, mas vivemos de cotas. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 18, n. 1, p. 181-190, Jan. 2013.

Publicado
2020-01-16
Seção
CIências da Saúde