CARACTERIZAÇÃO SOCIODEMOGRÁFICA E CLÍNICA DOS PACIENTES SUBMETIDOS A TRANSPLATES DE CÓRNEAS EM UM HOSPITAL DO CEARÁ

Resumo

Descrever a caracterização sociodemográfica e clínica dos pacientes submetidos a transplante de córneas em um hospital da região norte do Ceará. Trata-se de um estudo do tipo documental, com abordagem quantitativa, realizado no Serviço de Arquivo Médico e Estatístico (SAME) de um hospital da região norte do Ceará, com 231 prontuários de pacientes submetidos a transplantes de córnea entre 2014 e 2018. Pesquisa aprovada por comitê de ética em pesquisa, em 2018, com número 3.095.410. Os resultados mostraram que 59,30% dos participantes eram idosos do sexo feminino, casados (46,32%), advindos de cidades circunvizinhas a Sobral, Ceará (74,89%). Quanto à doença de base mais prevalente foi ceratopatia bolhosa (32,03%). Foi realizado transplante no olho direito (51,52%), por meio de ceratoplastia penetrante (88,74%), cirurgias eletivas (65,80%), com propósito óptico (66,66%), sem extração de catarata (64,50%). Na maioria dos pacientes havia cirurgia prévia no olho operado (46,32%). Permaneceram dois dias em internação hospitalar (99,56%) e evoluíram com alta hospitalar (100%). O ano de maior número de transplantes de córnea no período analisado foi 2016 (32,46%). Portanto, este estudo contribui para a melhoria do atendimento aos pacientes submetidos a transplante de córnea, bem como propor aos profissionais de saúde mais conhecimento acerca do tema, visando à implementação de cuidados especializados neste processo, para que tornem o resultado final satisfatório.

Biografia do Autor

Laís Rocha de Aguiar, UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ

Enfermeira. Graduada pela Universidade Estadual Vale do Acaraú. Sobral, Ceará, Brasil.

Keila Maria de Azevedo Ponte Marques, UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ

Enfermeira. Docente no curso de Enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú. Sobral, Ceará, Brasil.

Maria Sinara Farias, UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ- UECE

Enfermeira. Doutoranda em Cuidados Clínicos pela Universidade Estadual do Ceará. Fortaleza, Ceará, Brasil.

Luciana Maria Montenegro Santiago, UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ

Enfermeira. Docente no curso de Enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú. Sobral, Ceará, Brasil.

José Ribamar Fernandes Filho, Universidade Federal do Ceará

Professor Efetivo na categoria Auxiliar I do Curso de Medicina/UFC-Universidade Federal do Ceará - Campus de Sobral. Coordena a equipe de Transplantes de Córneas da Santa Casa de Misericórdia de Sobral.

Referências

ALMEIDA, H.G, SOUZA, A.C.D. Perfil epidemiológico de pacientes na fila de transplante de córnea no estado de Pernambuco – Brasil. Revista Brasileira de Oftalmologia, Rio de Janeiro, v. 73, n. 1, p. 28-33, 2014.

ALMEIDA, H.G. Transplante De córnea no Brasil: Progressos e dificuldades em 16 anos. Faculdade de medicina da universidade de São Paulo, São Paulo, 2018, p. 45.

BARBOSA, A.P. et al. Avaliação das indicações de ceratoplastia penetrante no interior paulista. Revista Brasileira de Oftalmologia, Rio de Janeiro, v. 71, n.6, p. 353-357, nov./dez. 2012.

CARVALHO, A.F.A., SILVA, R.B.V; FERREIRA, E.C. Cirurgia de catarata pela técnica de facoemulsificação: um estudo de caso. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v. 14, n. 1, p. 741-748, jan./jul. 2016.

CRUZ, G. K. P. et al. Aspectos clínicos e epidemiológicos dos pacientes transplantados com córneas em um serviço de referência. Revista latino-americana de enfermagem, Ribeirão preto, v. 25, jun. 2017.

DOMINGUES, ET. AL. Catarata senil: uma revisão de literatura. Revista de Medicina e Saúde de Brasília, Brasília, v. 5, n. 1, p. 135-144, 2016.

DUARTE, M.C.B. Ceratites infecciosas: fatores associados à positividade das culturas. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016, p. 13.

FIALHO, A.A.B. et. al. Formação de membrana fibrótica cicatricial em paciente submetido à ceratoplastia penetrante. Revista Brasileira de Oftalmologia, v. 75, n.4, p. 330-332, 2016.

LEVIN, A.K; TEIXEIRA, L.K.S, CIPULLO, R. Avaliação dos Possíveis Doadores de Órgãos e suas Recusas para não fazê-lo em Frequentadores de um Complexo Hospitalar na Cidade de São Paulo. Revista Ciências em Saúde. São Paulo, v. 2, n. 2, abr. 2012.

LOPES, A.C.N; PINTO, A.G.T; SOUSA, B.A. Ceratocone: uma revisão. Revista de Medicina e Saúde de Brasília, v. 4, n. 2, p. 219-232, 2015.

NOGUEIRA, M.A. et. al. Conhecimentos e posicionamentos de adolescentes sobre doação de órgãos antes e após uma ação educativa. Revista de Enfermagem e Atenção à Saúde. Minas Gerais , v. 5, n. 2, p. 57-72, ago/dez. 2016 .

PANCIERI, A.P; CARVALHO, R.; BRAGA, E.M. Aplicação do checklist para cirurgia segura: Relato de experiência. Revista SOBECC, v. 19, n. 1, p. 26-33, 2014.

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA NACIONAL DE TRANSPLANTE (BR). Diário Oficial da União. 2009; p. 77. [citado em 20 out 2011] Disponível em: http://www.in.gov.br/imprensa/visualiza/ index.jsp?jornal=1&pagina=77&data=30/10/2009

SILVA, S.A. et. al. Fatores de atraso na alta hospitalar em hospitais de ensino. Revista de Saúde Pública, v. 48, n. 2, p. 314-321, 2014.

SIQUEIRA, M.M. et al. Indicadores de eficiência no processo de doação e transplante de órgãos: revisão sistemática da literatura. Revista Panamericana de Salud Publica, v.40, n. 2, p. 90-97, ago 2016.

SOBRINHO, E.F.A, NEGRAO, B.F., ALMEIDA, H.G. Perfil epidemiológico de pacientes na fila de transplante penetrante de córnea no estado do Pará, Brasil. Revista Brasileira de Oftalmologia, Rio de Janeiro, v. 70, n 6, p. 384-390, nov/dez. 2011.

Publicado
2020-01-16
Seção
CIências da Saúde