PERSPECTIVA DO USUÁRIO SOBRE O ACOMPANHAMENTO E O USO DE PSICOTRÓPICOS NA ATENÇÃO BÁSICA

Resumo

O estudo teve como objetivo investigar o uso de psicotrópicos e os cuidados de saúde mental recebidos, referidos por usuários da Atenção Básica no município de Lastro-PB. Trata-se de um estudo com abordagem quantitativa, transversal, de natureza descritiva. Foram selecionados aleatoriamente 50 usuários da Unidade Básica de Saúde (UBS) do referido município, em uso continuado de psicofármacos há mais de dois anos, que participaram de entrevista estruturada em setembro de 2016. As respostas foram organizadas em planilhas e submetidas a análise estatística descritiva. Concluiu-se que as mulheres (64%) e os idosos (36%) constituíam os principais consumidores de psicotrópicos. Os medicamentos mais utilizados foram os ansiolíticos/benzodiazepínicos (37%), sendo a UBS o local onde obteve-se o maior número de prescrições (44%). Entre os participantes, 74% dos usuários relataram não receber acompanhamento além da medicação, entretanto, quando questionados sobre a satisfação com o atendimento, 64% relataram estar satisfeitos. Constata-se a necessidade de um acompanhamento que reduza a dependência desses fármacos, como também a adoção de estratégias de educação em saúde que priorizem o uso racional de medicamentos e a promoção da saúde a partir de uma assistência que não esteja pautada somente na prescrição de medicamentos. 

Referências

Abi‑Ackel, M.M.; Lima‑Costa, M.F.; Castro‑Costa, E. et al. Uso de psicofármacos entre idosos residentes em comunidade: prevalência e fatores associados. Rev Bras Epidemiol, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 57-69, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v20n1/1980-5497-rbepid-20-01-00057.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Amarante, P. Saúde mental e atenção psicossocial. 3. ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007.

Birman, J. Mal-estar na atualidade: a psicanálise e as novas formas de subjetivação. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

Bonadiman, C.S.C.; Passos, V.M.A.; Mooney, M. et al. A carga dos transtornos mentais e decorrentes do uso de substâncias psicoativas no Brasil: Estudo de Carga Global de Doença, 1990 e 2015. Rev Bras Epidemiol, São Paulo, v. 20, supl. 1, p. 191-204, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v20s1/1980-5497-rbepid-20-s1-00191.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Borges, T.L.; Miasso, A.I.; Vedana, K.G. et al. Prevalência do uso de psicotrópicos e fatores associados na atenção primária à saúde. Acta Paul Enferm, São Paulo, v. 28, n. 4, p. 344-349, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ape/v28n4/1982-0194-ape-28-04-0344.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Lei nº 10.216, Lei da Reforma Psiquiátrica de 06 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Diário Oficial da União, 09 de

abril de 2001. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10216.htm>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde mental. Cadernos de Atenção Básica 34 – Saúde Mental. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cadernos_atencao_basica_34_saude_mental.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Uso de Medicamentos e Medicalização da Vida: recomendações e estratégias. Brasília: Ministério da Saúde; 2018. Disponível em: <http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/fevereiro/15/Livro-USO-DE-MEDICAMENTOS-E-MEDICALIZACAO-DA-VIDA--1-.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Diniz, D. Ética na pesquisa em ciências humanas - novos desafios. Ciênc. saúde coletiva. Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 417-426, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csc/v13n2/a17v13n2.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística. Censo Demográfico 2010 – Primeiros Resultados. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: <ftp://ftp.ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/resultados/tabelas_pdf/total_populacao_paraiba.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Lancetti, A.; Amarante, P. Saúde Mental e Saúde Coletiva. In: CAMPOS, G.W.S. et al. Tratado de Saúde Coletiva. São Paulo: Hucitec, 2006.

Lima, M.G.; Álvares, J.; Guerra Junior, A.A. et al. Indicadores relacionados ao uso racional de medicamentos e seus fatores associados. Rev Saude Publica, São Paulo, n. 51, suppl.2, p. 23s, 22 set. 2017. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/rsp/article/view/139771/135048>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Moura, D.C.N.; Pinto, J.R.; Martins, P. et al. Uso Abusivo de Psicotrópicos pela Demanda da Estratégia Saúde da Família: Revisão Integrativa da Literatura. SANARE Sobral, Sobral, v. 15, n. 2, p. 136-144, 2016. Disponível em: <https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1048>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Nascimento, R.C.R.M.; Álvares, J.; Guerra Junior, A.A. et al. Polifarmácia: uma realidade na atenção primária do Sistema Único de Saúde. Rev Saude Publica, São Paulo, v. 51, suppl. 2, p. 19s, 2017. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/rsp/article/view/139761/135044>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Pons, E.S.; Knauth, D.R.; Vigo, A. et al. Predisposing factors to the practice of self-medication in Brazil: Results from the National Survey on Access, Use and Promotion of Rational Use of Medicines (PNAUM). PLoSONE, San Francisco, v. 12, n. 12, p. 1-12, 2017. Disponível em: <https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0189098>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Prado, M.A.M.B.; Francisco, P.M.S.B.; Barros, M.B.A. Uso de medicamentos psicotrópicos em adultos e idosos residentes em Campinas, São Paulo: um estudo transversal de base populacional. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 26, n. 4, p. 747-758, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ress/v26n4/2237-9622-ress-26-04-00747.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Rodrigues, P.S.; Francisco, P.M.S.B; Fontanella, A.T. et al. Uso e fontes de obtenção de psicotrópicos em adultos e idosos brasileiros. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: <http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/uso-e-fontes-de-obtencao-de-psicotropicos-em-adultos-e-idosos-brasileiros/17125?id=17125>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Silva, P.A.; Almeida, L.Y.; Souza, J. O uso de benzodiazepínicos por mulheres atendidas em uma Unidade de Saúde da Família. Rev Esc Enferm USP, São Paulo, v. 53, e03419, 2019. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v53/pt_1980-220X-reeusp-52-e03419.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Silveira, S.T.; Carvalho, A.R.V.; Vecchia, M.D. et al. A Dispensação de Psicofármacos em um Município de Pequeno Porte: Considerações Acerca da Medicalização da Vida. Psicologia em Pesquisa UFJF, Juiz de Fora, v. 10, n. 1, p. 17-25, 2016. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psipesq/v10n1/04.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Sousa, L.A.O.; Fonteles, M.M.F.; Monteiro, M.P. et al. Prevalência e características dos eventos adversos a medicamentos no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 4, e00040017, 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csp/v34n4/1678-4464-csp-34-04-e00040017.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2019.

United Nations. International Narcotics Control Board. Psychotropic Substances - Statistics for 2017. Vienna: United Nations, 2019. Disponível em: <https://www.incb.org/documents/Psychotropics/technical-publications/2018/PSY_Technical_Publication_2018.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Wolf, F.; Freytag, A.; Schulz, S. et al. German general practitioners’ self-reported management of patients with chronic Depression. BMC Psychiatry, v. 17, p. 1-8, 2017. Disponível em: <https://bmcpsychiatry.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12888-017-1564-z>. Acesso em: 20 jun. 2019.

World Health Organization. Collaborating Centre for Drug Statistics Methodology. Guidelines for ATC classification and DDD assignment 2019. Oslo: Norway, 2018. Disponível em: <https://www.whocc.no/filearchive/publications/2019_guidelines_web.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2019.

World Health Organization. Rational Use of Medicines. Report of the Conference of Experts, Nairobi, 25-29 November 1985. Geneva: World Health Organization. 1987. Disponível em: <http://apps.who.int/medicinedocs/documents/s17054e/s17054e.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2019.

Publicado
2020-01-16
Seção
CIências da Saúde