INDUÇÃO IN VITRO DE CALOS ATRAVÉS DE EXPLANTES EXTRAÍDOS DE PLÂNTULAS DA CATINGUEIRA (Poincianella pyramidalis Tul.)

  • Cassia Ferreira Rodrigues Universidade Federal do Ceará, UFC
  • Deisiane Carlos Fernandes Universidade Estadual Vale do Acaraú, UVA
  • Luiz Ferreira Aguiar Ponte Universidade Estadual Vale do Acaraú, UVA

Resumo

Poincianella pyramidalis Tul. é conhecida popularmente como catingueira por ser uma planta endêmica da região norte do Estado do Ceará (Bioma Caatinga). Essa planta possui importância econômica por causa do seu uso na medicina popular. Ela apresenta vários compostos com
propriedades terapêuticas, sendo utilizada principalmente para o tratamento de anemia, infecções intestinais e respiratórias. O cultivo in vitro consiste em técnicas que permitem a multiplicação de células, em menor escala de tempo e com maior controle de fitossanidade devido às condições assépticas. Os calos podem ser usados para obter plantas resistentes a condições adversas, como fungicidas e herbicidas. Além disso, os calos são considerados fonte de células para extração de
moléculas específicas de importância para a pesquisa. O presente trabalho teve como objetivo estabelecer protocolos de indução in vitro de calos utilizando explantes de P. pyramidalis (Fabaceae), indicando as concentrações dos fitorreguladores utilizados no meio de cultura. Incialmente, para a obtenção de plântulas, realizou-se a germinação das sementes de catingueira in vitro em meio de germinação denominado de Meio AA, e em substrato vermiculita. A partir das plântulas obtidas, retiraram-se os explantes (epicótilos e folhas) que foram submetidos a um processo denominado desinfecção e, em seguida, foram inoculados no meio de cultura (MS), suplementados com os fitorreguladores e incubados na câmara de germinação (B.O.D.). Observou-se o tamanho das amostras e o índice de oxidação a cada três dias. Os resultados mostraram um aumento de calos. Portanto, os
resultados sugerem que os tipos de fitorreguladores e concentrações avaliadas nesse estudo possuem capacidade de induzir calos a partir de explantes da catingueira.

Biografia do Autor

Cassia Ferreira Rodrigues, Universidade Federal do Ceará, UFC
Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Biotecnologia de Recursos Naturais, Universidade Federal do Ceará – UFC, Fortaleza, Ceará.
Deisiane Carlos Fernandes, Universidade Estadual Vale do Acaraú, UVA
Laboratório de Bioquímica, Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA, Sobral, Ceará.
Luiz Ferreira Aguiar Ponte, Universidade Estadual Vale do Acaraú, UVA
Docente do curso de Ciências Biológicas, Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA, Sobral, Ceará

Referências

ADAMS, R.M.; KOENIGSBERG, S.S.; LANGHANS, R.W. In vitro propagation of Cephalotusfolicularis (Australian patcher plant). Horticultura Science, Ashford, Kent, v. 14, n. 1, p. 512-513, jan. 1979.

ALBUQUERQUE, V.P.; MENDEIROS, P.M.; ALMEIDA, A.L.; MONTEIRO, J.M.; NETO, E. M. F. L.; MELO, J. G.; SANTOS, J. P. Medicinal plants of the caatinga (semi-arid) vegetation of NE Brazil. A quantitative approach. Journal of Ethnopharmacology, Philadelphia, v. 14, p. 325-354, 2007.

ALVES, E. V.; CARDOSO, E. A.; BRUNO, R. L. A.; ALVES, A. V.; GALINDO, E. A.; JUNIOR, J. M. B. Superação da dormência em sementes de Caesalpinia pyramidalis Tul. Revista Árvore, Viçosa, v. 31, n. 3, p. 405-415, 2007.

ALVIANO, W.S; ALVIANO, D.S.; DINIZ, C.G.; ANTONIOLLI, A.R.; ALVIANO, C. S.; FARIAS, L. M.; CARVALHO, M.A.A; SOUZA, M.M.G.; BOROGNESE, A.M. In vitro antioxidante potential of medicinal plant extracts and their activities against oral bacteria based on Brazilian folk medicine. Archives of Oral Biology, Amsterdam, v. 53, p. 545-552, 2008.

AMMIRATO, P. V.; EVANS, D. A.; SHARP, W. R.; YAMADA, Y. Handbook of plant cell culture. 3 ed. New York: Macmillan, 1984. 620 p.

AMMIRATO, P.V.; EVANS, D.A.; SHARP, W.R; BAJAJ, Y.P.S. Handbook of plant cell culture. 5 ed. New York (NY): Macmillan, 1990. 141 p.

ANDRADE, S.R.M. Princípios da cultura de tecidos vegetais. Planaltina: Embrapa Cerrados, 2002. 16 p.

BAHIA, M. V.; SANTOS, J.B.; DAVID, J.P.; DAVID, J.M. Biflavonoides and other Phenolics from Caesalpinia pyramidalis (Fabaceae). Journal of the Brazilian thermical Society, Campinas, v. 16, n. 6B, p. 1402-1405, 2005.

BORGES, B.P.S; SILVA, T.S; NEPOMUCENO, C.F.; SANTANA, J.R.F. Estabelecimento in vitro de Caesalpinia pyramidalis Tul. Disponível em: <http://www2.uefs.br/semic/upload/2011/2011XV-032Bá828-220.pdf>. Acesso em 16 de janeiro 2016.

CARVALHO, J. M. F. C. Técnicas de micropropagação. Campina Grande (PB): EMBRAPA-CNPA, 1999. 39 p.

CARVALHO, J.M.F.C.; VIDAL, M.S. Noções de Cultivo de Tecidos Vegetais. Campina Grande (PB): Embrapa Algodão, 2003. 41 p.

CID, L. P. B. A propagação in vitro de plantas. O que é isso? Bio-tecnologia Ciência & Desenvolvimento, v. 19, n. 19, p. 16-21, 2001.

CRUZ, M.C.S.; SANTOS, P.O.; BARBOSA JR, A.M.; MELO, D.L.F.M.; ALVIANO, D.S.;TRINDADE, R.C. Antifungal activity of Brazilian medicinal plants involved in popular treatment of mycoses. Journal of Ethropharmacology, Philadelphia, v. 111, p. 409-412, 2007.

GYVES, E. M. Agrobiotecnologia. México: Editorial Granica, 1994. 78 p.

JULIATTI, F.C. 2002. Modo de ação dos fungicidas sobre plantas e fungos. Departamento de Fitopatologia, ICIAG/ Universidade Federal de Uberlândia. Disponível em: <http://www.ipni.net>. Acesso em 16

de janeiro 2016.

LAMEIRA, O.A.; LEMOS, O.F.; MENEZES, I.C; PINTO, I.E.B.P. Cultura de Tecidos (manual). Belém: Embrapa Amazônia Oriental, 2000. 41 p.

LIMA, J. L. S. Plantas forrageiras da caatinga: usos e potencialidades. Petrolina (PE): EMBRAPA-CPATSA, 1996. 44 p.

LIMA, M.R.F.; et al. Anti-bacterial activity of some Brazilian medicinal plants. Journal of Ethnopharmacology, Philadelphia, v. 105, p. 137-147, 2006.

LOIOLA, M.I.B.; ROQUE, A.A; OLIVEIRA, A.C.P. Caatinga: Vegetação do semi-árido brasileiro. Ecologia – Revista Online da Sociedade Portuguesa de Ecologia. Campina Grande, n. 4, p. 14-19, jan./abr. 2012.

MAIA, G. N. Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades. São Paulo (SP): D&Z Computação Gráfica e Editora, 2004. 413 p.

MELO, B.; PINTO, J.E.B.P.; LUZ, J.M.Q.; PEIXOTO, J.R.; JULIATTI, F.C. Diferentes antioxidantes no controle da oxidação, germinação e desenvolvimento das plântulas na cultura in vitro de embriões da guarirobeira [Syagrus oleracea (MART.) BECC.]. Ciência e Agrotecnologia,Lavras, v. 25, n. 6, p. 1301-1306, 2001.

MURASHIGE, T.; SKOOG, G. F. A revised médium for rapid growth and biossays with tobacco tissue cultures. Physiologia Plantarum, v. 15, n. 1, p. 437-497, 1962.

PEREIRA, M.S.V; RODRIGUES, O.G.; FEIJÓ, F.M.C.; ATHAYDE, A.C.R.; LIMA, E.Q; SOUSA, M.R.Q. Atividade antimicrobiana de extratos de plantas no Semi-Árido Paraibano. Agropecuária Científica no Semi-Árido, Patos, v. 2, n. 1, p. 37-43, set./dez. 2006.

PIERIK, R.L.M. Cultivo in vitro de las plantas superiores. Madrid: Mundi-Prensa, 1988. 326 p.

REZENDE, J.C.; PASCOAL, M.; PEREIRA, R; VILLA, F. Influência do meio de cultura e concentração de ágar no crescimento e desenvolvimento de plântulas de café oriundas da embriogênese somática direta. Scientia Agrária, Curitiba, v. 9, n. 1, p. 21-26, 2008.

SALVATI, A.; ANTONALLI CCI, L.; FORTUNATO, R. H., SUAREZ, E. Y.; GODO, H. M. Antimicrobial activity in methanolic extracts of several plants species from northern Argentina. Phytomedicine, Alemanha, v. 11, p. 230-234, 2004.

SANTANA, D.G.; SANTOS, C.A.; SANTOS, A.D.C.; NOGEUIRA, P.C.C.; THOMAZZI, S.M.; ESTEVAM, C.S.; ANTONIOLLI, A.R.; CAMARGO, E.A. Beneficial effects of the etanol extract of Caesalpinia pyramidalis on the inflammatory response in abdominal hyperalgesia in rats with acute

pancreatites. Journal of Ethnopharmacology, Philadelphia, v. 142, p. 445-455, 2012.

SANTOS, C.A.; PASSOS, A.M.P.R.; ANDRADE, F.C.; CAMARGO, E.A.; ESTEVAM, C.S.; SANTOS, M.R.V.; THOMAZZI, S.M. Antinociceptive and anti-inflammatory effects of Caesalpinia pyramidalis in rodents Brazilian. Journal of Pharmacognosy, Curitiba, v. 21, n. 6, p. 1077-1083, 2011.

SILVA, L. B. SANTOS, F. A. R. de; GASSON, P.; CUTLER, D. Anatomia e densidade básica da madeira de Caesalpinia pyramidalis Tul. (Fabaceae), espécie endêmica da caatinga do Nordeste do Brasil.

Acta Botânica Brasileira, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 436-445, abr./jun. 2009.

SILVA, T. S. Morfogênese e Conservação in vitro de Caesalpinia pyramidalis Tul. 2012. 88 f. Dissertação (Mestrado em Biotecnologia) - Programa de pós-graduação em Biotecnologia, Universidade Estadual

Feira de Santana, Feira de Santana – BA. 2012.

TEIXEIRA, N.C; et al. Efeito do estresse hídrico sobre a viabilidade e o vigor de sementes de Caesalpinia pyramidalis Tul. (Leguminosae-Caesalpinoideae). In: Congresso de Ecologia do Brasil. Anais. Caxambu – MG: SEB 1-3. p. 1-3, 2007.

Publicado
2017-08-01
Seção
Ciências Agrárias