ANÁLISE DA AUTOMEDICAÇÃO POR CLIENTES EM UMA FARMÁCIA COMUNITÁRIA

  • Aécio Nascimento de Freitas Instituto Superior de Teologia Aplicada - INTA
  • Olindina Ferreira Melo

Resumo

Automedicação ocorre quando há o uso de medicamento sem a prescrição do profissional de saúde, orientação ou acompanhamento deste, cujo papel é garantir o uso seguro e racional dos medicamentos pelo paciente. O objetivo geral do trabalho foi de verificar a efetividade e evidenciar a importância da Prescrição/ Atenção Farmacêutica para pessoas que fazem a Automedicação. O estudo é de caráter descritivo, transversal, de natureza farmacoepidemio-lógica com abordagem quantitativa. A população do estudo foram clientes de uma farmácia comunitária da cidade de Acaraú, Ceará, de ambos os sexos, maiores de 18 anos e que aceitaram participar da pesquisa. Quanto aos as-pectos éticos foi considerada a Resolução nº 466/12 que norteia os estudos com seres humanos de forma direta e indireta e submetido ao CEP que emitiu o parecer de nº 2.102.913. A partir dos dados coletados nesse estudo, ob-servou-se que a prática da automedicação é mais comum entre as mulheres (64,2%), tendo como principal medica-mento utilizado os AINEs (78%). Outro dado importante a ser observado é que 64% dos pacientes entrevistados afirmam pedir orientação ao farmacêutico, evidenciando a real importância desse profissional, cuja intervenção é imprescindível no combate à automedicação de maneira a informar a população do perigo dos efeitos adversos que os fármacos podem causar.

Referências

ANGELUCCI, M. E. M. et al. Riscos da Automedicação. 2013

AQUINO, D. S.; BARROS, J. A. C.; SILVA, M. D. P. A automedicação e os acadêmicos da área de saúde. Revista

Ciência e Saúde Coletiva, v. 15, n. 5, p. 2533-2538, 2010.

BOING, A. C.; VEBER, A. P.; STOLF, F. Assistência e Processo de Trabalho na Estratégia Saúde da Família.

Módulo 12: Uso Racional de Medicamentos. Especialização em Saúde Da Família. Universidade Federal de

Santa Catarina, 2010. 52 p.

BORTOLON, P. C.; MEDEIROS, E. F. F.; NAVES, J. O. S.; KARNIKOWSKI, M. G. O.; NÓBREGA, O. T. Análise do

perfil de automedicação em mulheres idosas brasileiras. Ciência e Saúde Coletiva. v. 13, n. 4, p. 1219-

2008.

CARVALHO, M. N.; BARROS, J. A. C. Propagandas de medicamentos em revistas femininas. Saúde debate,

v. 37, n. 96, p. 76-83. 2013.

CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA (CFF). Resolução nº 585. Regulamenta as atribuições clínicas do farmacêutico

e dá outras providências, 2013a.

______ Conselho Federal de Farmácia. Resolução nº 586. Regula a prescrição farmacêutica e dá outras

providências, 2013b.

GIROTTO, E.; MATOS, D. B. S.; OLIVEIRA, J. M. Perfil Da Automedicação Em População Residente De Arapongas,

Paraná. Revista Espaço para a Saúde, v.11, n.2, p .29-38, 2010.

PEREIRA, J. R. Riscos da automedicação: tratando o problema com conhecimento. Disponível em:

bvsms.saude.gov.br/bvs/premio_medica/pdfs/ trabalhos/mencoes/

januaria_ramos_trabalho_completo.pdf>. Acesso em 17. ago. 2017.

PEREIRA, L. R. L.; FREITAS, O. A evolução da Atenção Farmacêutica e a perspectiva para o Brasil. Revista

Brasileira de Ciências Farmacêuticas. v. 44, n. 4, 2008.

SOUZA, H. W. O.; SILVA, J. L.; NETO, M. S. A Importância Do Profissional Farmacêutico No Combate À Automedicação

No Brasil. Revista Eletrônica de Farmácia, v. 5, n. 1, p. 67-72, 2008.

VITOR, R. S. et al. E. Padrão de consumo de medicamentos sem prescrição médica na cidade de Porto Alegre,

RS. Ciência e Saúde Coletiva, 13, Sup. p. 737-743, 2008.

Publicado
2018-07-12
Seção
CIências da Saúde