UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PARA A SAÚDE DO ADOLESCENTE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

  • Ismael Brioso Bastos Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Ívina Alessa Bispo Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Ana Suelen Pedroza Cavalcante Universidade Federal do Ceará
  • Maristela Inês Osawa Vasconcelos Universidade Estadual Vale do Acaraú

Resumo

O acesso do adolescente aos sistemas de saúde deve ser garantido de modo a atender às suas necessidades de acordo com as políticas de atenção à saúde direcionadas a esta parcela da população. Este estudo tem como objetivo analisar a produção científica acerca da utilização das Tecnologias de Informação e Comunicação pelos adolescentes para assuntos relacionados à saúde. Os artigos analisados foram extraídos das bases de dados eletrônicas BVS (Biblioteca Virtual em Saúde), SCIELO (Scientific Eletronic Library Online) e Biblioteca Virtual em Saúde do Adolescente (Adolec Brasil), que está inserida na BVS. Utilizou-se os seguintes descritores: Adolescente, Educação em Saúde e Tecnologia da Informação. Evidencia-se ainda a escola um espaço privilegiado para o desenvolvimento de ações de saúde, pois abrange um grande quantitativo de adolescentes e segundo estudos, faz-se necessário que os mesmos sejam envolvidos em um ambiente que permita a discussão crítico-reflexiva sobre questões características de sua faixa etária. O levantamento de estudos a respeito do uso das TICs como ferramentas para a aproximação dos adolescentes aos assuntos relacionados a sua saúde, proporciona o estímulo e o fortalecimento de ações de educação e promoção da saúde, em prol do cuidado integral, auxiliando os profissionais da saúde, que também exercem papel de educadores, objetivando a melhoria da qualidade de assistência a este público.

Referências

BRASIL. Cadernos de Atenção Básica: Saúde na Escola. Brasília: Ministério da

Saúde, 2009.

BRASIL. Diretrizes nacionais para a atenção integral à saúde de adolescentes e jovens na promoção, proteção e recuperação da saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

BRASIL. Guia Alimentar para a População Brasileira. Brasília: Ministério da saúde, 2014.

BRASIL. Orientações básicas de atenção integral à saúde de adolescentes nas escolas e unidades nas escolas e unidades básicas de saúde. Ministério da Saúde. 2013.

COSTA, R.F.; QUEIROZ, M.V.O.; ZEITOUNE, R.C.G. Cuidado aos Adolescentes na Atenção Primária: Perspectivas de Integralidade. Esc Anna Nery (impr.). 16 (3):466-472, jul-set. 2012.Disponível em : <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414- 81452012000300006>.Acesso em: 06 Mar. 2017.

FORNAZIN, M., JOIA, L.A. Articulando perspectivas teóricas para analisar a informática em saúde no Brasil. Saúde e Sociedade. São Paulo, v.24, n.1, p.46-60, mar. 2015.Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v24n1/0104-1290- sausoc-24-1-0046.pdf>.Acesso em: 06 Mar. 2017.

GESSER, V. Novas tecnologias e educação superior: Avanços, desdobramentos, Implicações e Limites para a qualidade da aprendizagem. IE Comunicaciones: Revista Iberoamericana de Informática Educativa, n. 16, p. 23-31, 2012.Disponível em : <https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=4095305>.Acesso em: 06 Mar. 2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), 2015. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Rio de

Janeiro, 2015.

JUNQUEIRA, L.A.P. Intersetorialidade, transetorialidade e redes sociais na saúde. Revista de Administração Pública. vol. 34, n. 16, p. 35-45, nov-dez, 2000. Disponível em : <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/viewFile/6346/4931>.Acesso em: 06 Mar. 2017.

MOREIRA, T.M.M. et al. Conflitos vivenciados pelas adolescentes com a descoberta da gravidez. Ver. Esc. Enferm. USP. São Paulo, vol. 42, n. 2, p. 312-20, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342008000200015>.Acesso em: 06 Mar. 2017.

OLIVEIRA, P.C.; CARNEIRO, M.K.; LOPES, S.S.; NAKAYAMA, M.K.

Ambientes Virtuais de Aprendizagem: Revisão Integrativa de Teses de Doutorado no Contexto Brasileiro entre 2003 e 2012. CINTED- Novas Tecnologias na Educação,vol. 12, nº 2, 2014. Disponível: < http://seer.ufrgs.br/index.php/renote/article/view/53522/33034>. Acesso em: 06 Jun.2017.

POLIT, D.F.; BECK, C.T. Using research in evidence-based nursing practice. In: POLIT, D.F.; BECK C.T., editors. Essentials of nursing research. Methods, appraisal and utilization. Lippincott Williams & Wilkins. Philadelphia (USA), p.457-94, 2006.

RIBEIRO, E.N.; MENDONÇA G.A.A; MENDONÇA, A.F. A importância dos ambientes virtuais de aprendizagem na busca de novos domínios da EAD. In: Anais do 13° Congresso Internacional de Educação a Distância. Curitiba, Brasil. 2007.

SANTOS, C.C.; RESSEL, L.B. O Adolescente nos Serviços de Saúde. Adolesc. Saúde, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 53-55, jan/mar, 2013.Disponível em : <http://www.adolescenciaesaude.com/detalhe_artigo.asp?id=355>.Acesso em: 06 Mar. 2017.

STETLER, C.B. et al. Utilization-focused integrative reviews in a nursing service.

Appl. Nurs. Res. Vol. 11, n. 4, p. 195-206, 1998.

TÔRRES, T.R.F.; NASCIMENTO E.G.C.; ALCHIERI J.C. O cuidado de

enfermagem na saúde sexual e reprodutiva dos adolescentes. Adolesc. Saúde. Vol.

, n. 1, p. 16-26. 2013.Disponível em:

<http://www.adolescenciaesaude.com/detalhe_artigo.asp?id=391>.Acesso em: 06

Mar. 2017.

VIEIRA, R.P. et al. Participação de adolescentes na Estratégia Saúde da Família a partir da Estrutura Teórico-Metodológica de uma Participação Habilitadora. Rev. Latino-Am. Enfermagem. vol.22, n. 2, p.309-316, apr, 2014.Disponível em : <http://www.scielo.br/pdf/rlae/v22n2/pt_0104-1169-rlae-22-02-00309.pdf>. Acesso em: 06 Mar. 2017.

WANG, L. et al. Promoción de la salud y los derechos sexuales y reproductivos y prevención del VIH/sida en jóvenes de sectores populares a través del uso de las Tecnologías de la Información y la Comunicación. Actual.SIDA. Vol. 17, n. 66, p. 151-60, 2009.

Publicado
2018-12-31
Seção
CIências da Saúde