TEORIA DO CONFORTO NO CUIDADO CLÍNICO DE ENFERMAGEM: ANÁLISE DE CONCEITOS E DEFINIÇÕES

  • Keila Maria de Azevedo Ponte Universidade Estadual do Ceará
  • Lúcia de Fátima da Silva UECE

Resumo

Em uma teoria, em particular neste estudo, de enfermagem devem-se estar apresentados explicitamente e claramente, os conceitos, já que uma teoria possui relação direta com a pesquisa e a prática. Deste modo, este artigo tem como objetivo Descrever os conceitos e definições da Teoria do Conforto aplicado a um contexto de cuidado clínico de enfermagem. Pesquisa descritiva-reflexiva, realizada em novembro e dezembro de 2012. Escolheu-se os componentes “conceitos” e “definições” de Chin e Kramer para nortear este estudo. Realizou-se uma busca no Banco de Teses e Dissertações da CAPES com as palavras chaves: Cuidado clínico de enfermagem e Teoria do Conforto de Kolcaba, o qual apenas uma dissertação foi apresentada. Os resultados deste estudo apresentam os dezoito conceitos e definições usados na Teoria do Conforto, e estes se inter-relacionam de algum modo. Foi possível descrever o uso dos conceitos da Teoria do Conforto. Observou-se os critérios adotados por Chin e Kramer possibilitaram na identificação dos componentes necessários para este estudo. Já na aplicação da Teoria do Conforto no contexto de cuidado clínico de enfermagem, percebeu-se que alguns conceitos não foram definidos e não foram citados no decorrer do estudo, priorizando-se o conceito maior com subconceitos e quatro dos conceitos maiores, equivalentes aos contextos de conforto.

Biografia do Autor

Keila Maria de Azevedo Ponte, Universidade Estadual do Ceará
Enfermeira. Doutoranda e Mestre do Programa de Pós Graduação Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde (PPCCLIS) pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Integrante do Grupo de Pesquisa Enfermagem, Educação, Saúde e Sociedade (GRUPEESS). Bolsista CAPES.
Lúcia de Fátima da Silva, UECE
Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente dos Cursos de Graduação e do PPCCLIS da UECE. Enfermeira do Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes. Integrante do GRUPEESS da UECE. Email: luthy2008@hotmail.com, Fortaleza-Ceará-Brasil.

Referências

CHIN, P.L. KRAMER, M.K. Theory and nursing – a systematic approach. 4.ed. Missouri: Mosby, 1995.

DOWD, T. Katharine Kolcaba – Teoria do Conforto. In: Tomey A.M., Alligood M.R. Teóricas de Enfermagem e sua Obra - modelos e teorias de enfermagem. 5.ed. Lisboa: Lusociência, 2004.

JAPIASSU, H. MARCONDES, D. Dicionário básico de filosofia. 4.ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

KOLCABA, K. Comfort theory and practice: a vision for holistic health care and research. New York: Springer publishing company, Inc. 2003.

KOLCABA, K. Definitions of concepts in Kolcaba’s middle range Theory of Comfort. 2010. Disponível em: http://www.thecomfortline.com/home/faq.html. Acesso em 10/12/2012.

KOLCABA, K. The Comfort Line. 2010. Disponível em: http://www.thecomfortline.com/. Acesso em: 22 mai. 2010.

MALINOWSKI, A.; STAMLER, L.L. Comfort: exploration of the concept in nursing. Journal of Advanced Nursing, v.39, n.6, p. 599-606, 2002.

MCEWEN, M.; WILLS, E. Bases teóricas para enfermagem. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

PONTE, K.M.A. Tecnologias do cuidado clínico de enfermagem para o conforto de mulheres com infarto agudo do miocárdio. 2011. 177f. Dissertação (Mestrado Acadêmico Cuidados Clínicos em Saúde). Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2012.

RUSS, J. Os métodos em filosofia. Rio de Janeiro: vozes, 2010.

SILVA, C.R.L.; CARVALHO, V.; FIGUEIREDO, M.N.A.; TONINI, T. Conceito de cuidado/conforto: objeto de trabalho e objeto de conhecimento de enfermagem. Cogitare Enferm, Rio de Janeiro, v.16, n.2, p.357-60, 2011.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ/PPCCLIS. Regimento do Programa de Pós Graduação em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde da UECE. Fortaleza, 2011. (mimeo)

Publicado
2016-06-17
Seção
CIências da Saúde