PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES NA ESF: ESTRUTURAÇÃO DE HORTO E OFICINA DE CONSTRUÇÃO DE SABERES

  • Lysrayane Kerullen David Barroso Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Normanda de Almeida Cavalcante Leal Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • David Gomes Araújo Júnior Universidade Federal do Ceará
  • Ana Jessyca Campos Sousa Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Olindina Ferreira Melo Centro Universitário UNINTA

Resumo

O estudo objetiva relatar a estruturação de um horto de plantas medicinais e educação em saúde sobre fitoterapia como prática integrativa e complementar em um Centro de Saúde da Família (CSF) no município de Sobral, Ceará. Trata-se de um estudo descritivo, do tipo relato de experiência acerca do processo de construção de um horto de plantas medicinais e do desenvolvimento de oficinas de construção de saberes com a comunidade no uso das plantas cultivadas. O cenário da experiência foi o município de Sobral-CE, mais especificamente no território de abrangência de um CSF. O desenvolvimento da proposta foi executado em quatro momentos: I) Apresentação da proposta dos residentes para equipe de saúde; II) Estruturação do horto à utilização de plantas medicinais; III) Oficinas com a comunidade: Redescobrindo e aprendendo; IV) Avaliação das ações. Tanto a população como os profissionais puderam beneficiar-se com esse recurso, sendo visto como tratamento alternativo e complementar na recuperação da saúde.

Biografia do Autor

Lysrayane Kerullen David Barroso, Universidade Estadual Vale do Acaraú
Farmacêutica. Residência em Saúde da Família pela Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia, Sobral-Ce. - CE. Pós-graduanda em Análises Clínicas pelo Centro Universitário UNINTA, Sobral–CE. 
Normanda de Almeida Cavalcante Leal, Universidade Estadual Vale do Acaraú
Nutricionista. Residente em Saúde da Família pela Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia, Sobral-Ce. 
David Gomes Araújo Júnior, Universidade Federal do Ceará
Enfermeiro. Especialista em Gestão da Saúde e Auditoria. Mestrando pelo Programa Pós Graduação em Saúde da Família pela Universidade Federal do Ceará – UFC
Ana Jessyca Campos Sousa, Universidade Estadual Vale do Acaraú
Graduanda em Enfermagem pela Universidade Estadual Vale do Acaraú.
Olindina Ferreira Melo, Centro Universitário UNINTA
Farmacêutica. Mestre em Bioquímica. Doutoranda em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal do Ceará – UFC. Docente do curso de Farmácia do Centro Universitário UNINTA, Sobral-CE

Referências

ALVES, E. D. Política de Educação e desenvolvimento para o SUS-Caminhos para a Educação Permanente em Saúde. Revista Eletronica Gestão & Saúde, v. 1, n. 1, 2017.

ARAÚJO, E. R; JALFIM, F. T.; SIDERSKY, P. R. A estratégia de assessoria do projeto Dom Helder Camara. 2. ed. Recife: Projeto Dom Helder Câmara, 2010.

BALBINOT, S.; VELASQUEZ, P. G.; DÜSMAN, E. Reconhecimento e uso de plantas medicinais pelos idosos do Município de Marmeleiro–Paraná. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Campinas, v. 15, p. 632-638, 2013.

BRUNING, M. C. R.; MOSEGUI, G. B. G.; VIANNA, C. M. M. A utilização da fitoterapia e de plantas medicinais em unidades básicas de saúde nos municípios de Cascavel e Foz do Iguaçu - Paraná: a visão dos profissionais de saúde. Ciências e Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 10, n. 17, p. 2675 – 2685, 2012.

COSTA, C. G. A. et al. Hortas comunitárias como atividade promotora de saúde: uma experiência em Unidades Básicas de Saúde. Revista Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n. 10, 2015.

CUNHA, E. S. et al. Adubação orgânica e teores de nutrientes no capim-limão. Revista da Biologia, v. 9, n. 1, p. 1-5, 2018.

DIAS, E. S. M. et al. Roda de conversa como estratégia de educação em saúde para a enfermagem. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, v. 10, n. 2, p. 379-384, 2018.

DYNIEWICZ, A. M. Metodologia da pesquisa em saúde para iniciantes. São Caetano do Sul: Difusão, 2009.

FIGUEREDO, C. A. de; GURGEL, I. G. D; GURGEL JUNIOR, G. D. A Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos: construção, perspectivas e desafios. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 24, p. 381-400, 2014.

MALLMANN, D. G. et al. Educação em saúde como principal alternativa para promover a saúde do idoso. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, p. 1763-1772, 2015.

MENEZES, P.; KIEFER, K.; AVELINO, P. R. Grupos operativos na Atenção Primária à Saúde como prática de discussão e educação: uma revisão. Cadernos de Saúde Coletiva, v. 24, 2016.

SANTOS, C. A dos et al. Horto ecológico: natureza, vivência e aprendizados. Redes vivas de educação e saúde: relatos e vivências da integração universidade e sistema de saúde. 1. Ed. Porto Alegre: Editora Rede Unida, 2015. p. 103-103, 2015.

SANTOS, M. et al. A Importância dos cinco sentidos para a memória dos idosos: um relato de experiência. Memorialidades, v. 13, n. 25e26, p. 161-174, 2017.

SINITOX (Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas), Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde, Fundação Oswaldo Cruz. Estatística anual de casos de intoxicação e envenenamento. Disponível em:. Acesso em: 02. jan. 2018.

Publicado
2019-01-31
Seção
CIências da Saúde