CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS DO PROGRAMA MELHOR EM CASA EM SOBRAL- CEARÁ

  • Carla Kaiane Aguiar Aguiar Silva Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Cibelly Aliny Siqueira Lima freitas Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Natália Frota Goyanna Universidade Estadual Vale do Acaraú

Resumo

O objetivo do estudo é caracterizar o perfil socioeconômico e clínico dos usuários do Programa Melhor em Casa em Sobral, Ceará. Trata-se de uma pesquisa documental, exploratório-descritiva, com abordagem quantitativa. A pesquisa ocorreu no contexto do Programa Melhor em Casa em Sobral. A coleta de dados se deu em junho de 2017.
No levantamento dos dados, utilizaram-se os prontuários físicos e fichas de cadastro referentes aos usuários, disponíveis na Sede do Programa Melhor em Casa. Os dados foram organizados e analisados pela técnica Estatística Descritiva, trabalhando-se com frequências absolutas e relativas, com o auxílio do software Microsoft Excel, e os dados foram apresentados em tabelas e discutidos de acordo com a literatura pertinente na área. O estudo foi regido pela Resolução 466/12 do Conselho Nacional de Saúde, que trata das pesquisas envolvendo seres humanos e aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual Vale do Acaraú, com o parecer no 2.054.825.
Nos resultados, os dados demonstraram o predomínio de 60% do sexo feminino, juntando o número de usuários com faixa etária de 60-92 anos obteve-se 40%, enfatizando assim, o predomínio de idosos. 51,11 % são analfabetos, 13,33% são referentes a sequelas de AVC, 100% dos usuários são atendidos pela equipe de enfermagem e nos cuidados especializados houve a prevalência da categoria “Outros Cuidados”, que se refere ao acesso a equipamentos especiais com cerca de 73,33%. Ressalta-se a importância de estudos dessa natureza, uma vez que permitem planejar e implementar ações para o público beneficiado pela Atenção Domiciliar.

Biografia do Autor

Carla Kaiane Aguiar Aguiar Silva, Universidade Estadual Vale do Acaraú
Enfermeira pela Universidade Estadual Vale do Acaraú e pós graduanda em Urgência e Emergência
Cibelly Aliny Siqueira Lima freitas, Universidade Estadual Vale do Acaraú
Doutorado em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Docente do Curso de Enfermagem da Universidade
Estadual Vale do Acaraú (UVA). Sobral, Ceará, Brasil
Natália Frota Goyanna, Universidade Estadual Vale do Acaraú
Mestre em Saúde da Família pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Sobral, Ceará, Brasil.

Referências

AGUIAR, C.M.S; SOUZA, F.L; CUNHA, F.M.A.M. A experiência do fisioterapeuta no Programa Melhor em Casa em Sobral, CE. Relato de Caso. Revista Digital, Buenos Aires, n.208, 2015. Disponível em: <http://www.efdeportes.com/>. Acesso em: 01 de nov. 2017.

ALENCAR, V. A. Contribuições da internação domiciliar para promover a esospitalização e prevenir a reospitalização no âmbito do SUS. 2013. Dissertação (Mestrado) - Faculdade Ciências da Saúde, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2013.

ANTUNES, F. P. et al. Desigualdades sociais na distribuição espacial das hospitalizações por doenças respiratórias. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.29, n.7, p.1346-56, 2013.

BARROS, M. B. A., et al. Tendências das desigualdades sociais e demográficas na prevalência de doenças crônicas no Brasil. PNAD: 2003-2008. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.16, n.9, p. 3755-68, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei no 10424/GM, de 15 de abril de 2002. Acrescenta capítulos VI e artigo 19I à lei 8.080 de 19 de setembro de 1990. Estabelece no âmbito do sistema único de saúde, o atendimento e a internação domiciliar. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 de abr. 2002a. Disponível em: < >. Acesso em: 24 ago. 2017.

---________ . Ministério da Saúde. Melhor em Casa chega a 20 estados brasileiros. Departamento de Atenção Básica, Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: <http://dab.saude.gov.br/portaldab/

noticias.php?conteudo=28_11_melhor_em_Casa_chega_20_estados>.Acesso em: 08 dez. 2016.

_______. Ministério da Saúde. Portaria MS/GM no 963 de 27 de maio de 2013. Redefine a atenção domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 mai. 2013. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/>. Acesso em: 08 dez. 2016.

____. Ministério da Saúde. Portaria GM no 1.208 de 18 de junho de 2013. Dispõe sobre a integração do Programa Melhor em Casa (Atenção Domiciliar no âmbito do SUS) com o Programa SOS Emergências, ambos inseridos na Rede de Atenção às Urgências, 2013b. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt1208_18_06_2013.html>. Acesso em: 01 nov. 2016.

______. Ministério da Saúde. Portaria GM no 825 de 25 de abril de 2016. Redefine a Atenção domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde(SUS) e atualiza as equipes habilitadas. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 abr. 2016. Disponível em: < bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2016/prt0825_25_04_2016.html>. Acesso em: 24 ago. 2017.

CAMPOLINA, A.G. et al. A transição de saúde e as mudanças na expectativa de vida saudável da população idosa: possíveis impactos da prevenção de doenças crônicas. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.29, n.6, p. 1217-29, 2013.

CECCIM, R. B.; FEUERWERKER, L.C.M. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.14, n.1,p.41-65, 2004.

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM. Resolução COFEN no 267. Brasília, 2001. Disponível em: <http://site.portalcofen.gov.br/>. Acesso em: 14 out. 2017.

EUGÊNIO, F.E.S et al. PET Saúde - Redes de Atenção à Saúde: Contribuições do Programa Melhor em Casa. SANARE, v.14, n.2, p. 47-50. Sobral, 2015.

FABRÍCIO, S. C. C et al. Assistência domiciliar: a experiência de um hospital do interior paulista. Revista Latino-Americana de enfermagem, Ribeirão Preto, v.12, n.5, p.721-6, 2004.

FERREIRA, V.C. Independência funcional do idoso com doença pulmonar obstrutiva crônica. 2010. 163 f. Dissertação (Mestrado)- Universidade de São Paulo, Escola de enfermagem de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, 2010.

FEUERWERKER, L.C.M.; MERHY, E.E. A contribuição da atenção domiciliar para a configuração de redes substitutivas de saúde: desinstitucionalização e transformação de práticas. Revista Panamericana de Salud Pública, v.24, n.3, p.180-8, 2008

GARGANO, F. et al. Internação domiciliária: uma experiência no sul do Brasil. Revista AMRIGS, Porto alegre, v.48, n.2, p.90-4, 2004.

GOYANNA, N.F. Cuidado de enfermagem domiciliar ao idoso: abordagem à luz do modelo de cuidado transpessoal. 2016. (Projeto de dissertação de mestrado). Faculdade de Enfermagem. Universidade Federal do Ceará. Sobral, 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico 2010. Disponível em: <ftp://ftp.ibge.gov.br/CensosCenso_Demografico_2010/Resultados_do_Universo/tabelas_pdf/

tab1.pdf>. Acesso em: 10 dez. 2016.

LOPES, W.O; SAUPE, R; MASSAROLI, A. Visita domiciliar: tecnologia para o cuidado, o ensino e a pesquisa. Ciência, Cuidado e Saúde, Maringá, v.7, n.2, p.241-7, 2008.

MARQUES, G.Q.; FREITAS, I.B.A. Experiência-piloto de assistência domiciliar: idosos acamados de uma Unidade Básica de Saúde, Porto Alegre, Brasil. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v.43,n.4, p.825-32, 2009.

MENDES, E.V. As redes de atenção à saúde. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2010, vol.15, n.5, pp.2297-2305. ISSN 1413-8123. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S141381232010000500005&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em 01 nov. 2016.

MENDES, E.V. 25 anos do Sistema Único de Saúde: resultados e desafios. Estudos avançados, 27 (78), 2013. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/ea/v27n78/03.pdf>. Acesso em: 01 nov. 2016.

SOBRAL. Prefeitura Municipal de Sobral. A história de Sobral. Disponível em:< http://

www.sobral.ce.gov.br>. Acesso em 04 jan. 2017.

SOBRAL. Prefeitura de Sobral. Programa Melhor em Casa. Disponível em: <http://www.sobral.ce.gov.br/site_novo/index.php/links/noticias/item/2810-programa-melhor-em-casa>.Acesso em: 25 fev. 2017.

SOUZA, A.S., MENESES, M.R. Estrutura da representação social do cuidado familiar com idosos hipertensos. Rev. bras. geriatr. Gerontol. Jequié, Bahia, 2009. Disponível em:<http://www.crde-unati.uerj.br/img_tse/ v12n1/pdf/art_7.pdf>. Acesso em: 02 nov. 2017.

Publicado
2019-04-03
Seção
CIências da Saúde