PAPEL DO ENFERMEIRO NO CUIDADO INTENSIVO NEONATAL NO BRASIL

  • Diógenes Farias Gomes Universidade Estadual do Ceará (UECE)
  • Marina Pereira Moita Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Maria Socorro Araújo Dias Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Marília Campos Fernandes Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Jamylle Lucas Diniz Universal Federal do Ceará (UFC)
Palavras-chave: Enfermeiras e Enfermeiros, Unidades de Terapia Intensiva Neonatal, Papel Profissional.

Resumo

Este artigo busca sumarizar as evidências científicas de estudos sobre o papel do enfermeiro intensivista neonatal realizados no Brasil. Trata-se de uma revisão integrativa que utilizou documentos disponíveis no repositório de dados da Biblioteca Virtual em Saúde. As buscas foram realizadas mediante associação dos termos: Papel do Profissional de Enfermagem and Neonatologia; Enfermeiros and Neonatologia; e Profissional de Enfermagem and Enfermagem Neonatal. Foram selecionados os artigos disponíveis na íntegra, publicados no período de 2006 a 2016, em idioma português, num total de 19 documentos. Os dados foram extraídos a partir de um instrumento para coleta inspirado em Amaral (2007). As publicações sobre o tema concentraram-se nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste, o que indica a fragilidade da discussão sobre o papel do enfermeiro em cuidados intensivos neonatais nas demais regiões do país. Evidenciou-se que o enfermeiro é um importante articulador do cuidado entre a família e o neonato, sendo a comunicação a principal ferramenta no processo de educação em saúde. O enfermeiro também foi destacado como profissional responsável por promover a autonomia de pais (e outros cuidadores) durante o cuidado ao neonato no domicílio. Os estudos evidenciam que o altruísmo é uma característica do enfermeiro neonatologista

Biografia do Autor

Diógenes Farias Gomes, Universidade Estadual do Ceará (UECE)
Enfermeiro. Mestre em Saúde da Família. Doutorando em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). 
Marina Pereira Moita, Universidade Estadual Vale do Acaraú
Graduanda em Enfermagem pela Universidade Estadual Vale do Acaraú. Membro do Laboratório de Pesquisa Social, Educação Transformadora e Saúde Coletiva (LABSUS). 
Maria Socorro Araújo Dias, Universidade Estadual Vale do Acaraú
Enfermeira. Docente do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual Vale do Acaraú. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará. Líder do Laboratório de Pesquisa Social, Educação Transformadora e Saúde Coletiva (LABSUS). 
Marília Campos Fernandes, Universidade Estadual Vale do Acaraú
Enfermeira pela Universidade Estadual Vale do Acaraú
Jamylle Lucas Diniz, Universal Federal do Ceará (UFC)
Enfermeira. Mestranda em enfermagem pela Universal Federal do Ceará (UFC).

Referências

Amaral, J.F. Como fazer uma pesquisa bibliográfica. Fortaleza (CE): Universidade Federal do Ceará. 2007.

Bardin, L. Análise de conteúdo. São Paulo (SP): Edições 70. 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 930, de 10 de maio de 2012, define as diretrizes e objetivos para organização da atenção integral e humanizada ao recém-nascido de classificação e habilitação de leitos de Unidade Neonatal no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). 2012.

Biblioteca Virtual Em Saúde. Portal regional da BVS. 2016. Disponível em: <http://bvsalud.org/> Acesso em: 15 jul 2018.

Brasil. Estatuto da criança e do adolescente (1990). Estatuto da criança e do adolescente: Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990, Lei n. 8.242, de 12 de outubro de 1991. 3ª ed. Brasília (DF): Câmara dos Deputados, Coordenação de Publicações, 2001.

Contandriopoulos, A.P; Champangne, F; Denis, J.L; et al. Saber preparar uma pesquisa: definição, estrutura e financiamento. 2ª ed. São Paulo (SP): Hucitec.1997.

Dias, M.S; et al. Atuação do enfermeiro no cuidado ao recém-nascido: proposta de um novo processo de trabalho. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, v.1, n. 6, p. 1930-1944, 2016.

Farias, M.S; Parente, F.L; Anjos, F.C. Gerenciamento de enfermagem em unidades cardiológicas: prática baseada em evidências para tomada de decisões. Essentia, Sobral, v 19, n 2, 2018. Disponível em: <http://www.uvanet.br/essentia/index.php/revistaessentia/article/view/157/154>. Acesso em 03 maio de 2019.

Fialho, F.A; Dias, I.M.A.V; Silva, L.R; et al. Tecnologias aplicadas pela enfermagem no cuidado neonatal. Revista Baiana de Enfermagem, v.29, n. 1, p. 23-32, 2015.

Freitas, M.C.N; Sousa, A.O.B; Cabral, S.A.A.O; et al. Caracterização dos recém-nascidos internados em unidade de terapia intensiva. Revista Multidisciplinar e Psicologia, v. 12, n. 40, 2018.

Gesteira, E.R; Goldenberg, P. Estágio de neonatologia na graduação de enfermagem: enfrentamentos e desafios num contexto de mudanças. Revista Brasileira de Enfermagem. v.65, n.1, p.65-71, 2012.

Menin, G.E; Pettenon, M.K. Terminalidade da vida infantil: percepções e sentimentos de enfermeiros. Revista Bioética, v. 23, n. 3, p. 608-614. 2015.

Otaviano, F.P; Duarte, I.P; Soares, N.S. Assistência da enfermagem ao neonato prematuro em unidades de terapia intensiva neonatal (UTIN). Revista Saúde em Foco, Teresina, v.2. n.1. 2015.

Pereira Neto, E.F; Ramos, M.Z; Silveira, E.M.C. Configurações familiares e implicações para o trabalho em saúde da criança em nível hospitalar. Physis: Revista coletiva de saúde, v. 26, n. 3, p. 961-979, 2016.

Santana, L.S.R; Silva, L.S; Silva, R.R; et al. Quantificação dos ruídos sonoros em uma unidade de terapia intensiva neonatal. Revista Mineira de Enfermagem, v 19, n 2, p. 27-31, 2015. Disponível em: <http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/1003>. Acesso em 03 maio 2019.

Santos, J.R. Conduta gerencial do enfermeiro na unidade de terapia intensiva. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, v. 01, p. 30-46, 2017.

Santos, R; Martins, M.J.L. Manutenção do PICC: o comprometimento das técnicas de enfermagem, em uma unidade de terapia intensiva neonatal. 2015. Disponível em: <http://www.fatea.br/seer/index.php/reenvap/article/viewFile/1326/1011> Acesso em 14 jul 2017.

Souza, M.T; Silva, M.D; Carvalho, R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, v.8, n.1,102-106, 2010.

Trentini, M; Paim, L; Silva, D.M.G.V. O método da pesquisa convergente assistencial e sua aplicação na prática de enfermagem. Texto Contexto Enferm, v 26, n 4, e1450017, 2017.

Publicado
2019-06-05
Seção
Ciências da Saúde (Ênfase em Enfermagem)