EU POSSO TE OUVIR

  • Rogeriany Lopes Farias Secretaria da Saúde de Sobral
  • Silvinha de Sousa Vasconcelos Costa Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia
  • Patricia Thays Alves Pereira Secretaria do Trabalho e Assistência Social de São Benedito - Ceará
  • Aurilene Marcelo da Silva Fundação Lemann
  • Jéssica Rodrigues Brito Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia
  • Mirna Jorjandhe Bernardino Barreto Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia
Palavras-chave: Violência. Automutilação. Adolescente. Intersetorialidade. Cultura de paz.

Resumo

Este estudo trata de um relato da experiência do projeto “Eu posso te ouvir”, que se realiza em uma escola do município de Sobral, Ceará, como uma estratégia intersetorial, multiprofissional e interdisciplinar de enfrentamento à violência autoprovocada. O projeto teve início em 2017, com desenvolvimento até os dias atuais e foi criado em parceria entre a escola Netinha Castelo, o Centro de Saúde da Família - CSF do Junco, a equipe da Residência Multiprofissional em Saúde da Família e a equipe da Residência Multiprofissional em Saúde Mental. Para consolidação do projeto, foram necessárias as seguintes providências:  aprofundamento teórico-conceitual e metodológico; utilização de oficinas reflexivas para aproximação do sujeito; implementação multiprofissional da Escuta Acolhedora individualizada dos adolescentes com sofrimento mental; Educação Permanente com os professores; readequação do currículo escolar; criação de Grupo como recurso terapêutico;,  e articulação com a rede de atenção e proteção do adolescente de Sobral. E teve como resultados a redução dos casos de automutilação, fortalecimento de vínculos entre adolescente-escola-família, articulação intersetorial e transformação da escola para uma visão holística de educação emancipatória. Recomenda-se que todos os espaços escolares do município compreendam a relevância da temática que se volta para uma “adolescência silenciada”, emocionalmente vulnerável e  necessitada do espaço que o projeto Eu posso te ouvir oferece.

 

Biografia do Autor

Rogeriany Lopes Farias, Secretaria da Saúde de Sobral
Assistente Social pela Universidade Norte do Paraná (UNOPAR). Especialista em Saúde da Família em caráter de Residência pela Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia/Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). Gerente do Programa Saúde na Escola do Município de Sobral, Ceará.
Silvinha de Sousa Vasconcelos Costa, Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia

Possui Graduação em Enfermagem pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (1989). Mestrado Profissional em Saúde da Família pela Rede Nordeste de Saúde Família-FIOCRUZ/Universidade Estadual Vale do Acaraú. Atualmente é Enfermeiro - Secretaria da Saúde de Sobral- Ceará, Docente da Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Saboia, Preceptora na Residência Multiprofissional em Saúde da Família no Sistema Saúde Escola para o fortalecimento do SUS na APS, e Tutoria na Atenção Primaria e Especializadas no apoio institucional. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem em Saúde Pública, Saúde da Família e Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: Estudos retrospectivos, Atenção Primária a Saúde, Saúde da Família, Violências, Promoção da saúde, Doenças Sexualmente Transmissíveis e AIDS, Avaliação da qualidade, micropolíticas e politicas de gestão. Estudos das competências e Qualidade de vida.

Patricia Thays Alves Pereira, Secretaria do Trabalho e Assistência Social de São Benedito - Ceará
Assistente Social, pelo Instituto Superior de Teologia Aplicada (UNINTA). Especialista em Saúde da Família em caráter de residência pela Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia. Supervisora Técnica da Proteção Social Especial da prefeitura de São Benedito.
Aurilene Marcelo da Silva, Fundação Lemann
Pedagoga pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). Especialista em Língua e Literatura pela UVA. Coordenadora Estadual assistente no Maranhão do Programa Educar pra Valer da Associação Bem Comum.
Jéssica Rodrigues Brito, Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia
Enfermeira pela Faculdade Vale do Salgado - FVS. Especialista em Saúde da Família em caráter de residência pela Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia (ESFVS). Residente em Saúde Mental pela ESPVS.
Mirna Jorjandhe Bernardino Barreto, Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia
Psicola pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Especialista em gestalt-terapia clínica pela Faculdade Ari de Sá. Especialista em Saúde Mental em caráter de residência pela Escola de Saúde Pública Visconde de Saboia.

Referências

Campos, G. W. S.; Domitti, A. C. Apoio Matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 399-407, 2007

Cavalcante, P.B; Carvalho, R.N; MIRANDA, A.P.R.S; Medeiros, K.T; Dantas, A.C.S. A intersetorialidade enquanto estratégia profissional do Serviço Social na Saúde, 2014. Disponível em <http://online.unisc.br/seer/index.php/barbaroi/article/> Acesso em junho de 2019.

Durkheim, E. O suicídio: estudo de sociologia. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

Freire, P. Conscientização: teoria e prática da libertação –uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 3 ed. São Paulo: Moraes, 1980.

Jornal O Povo. Ceará é o 5º estado em número de suicídios. Fortaleza, 2016. Disponível em: <https://www.opovo.com.br/noticias/fortaleza/2016/11/ceara-e-o-5-estado-em-numero-de-suicidios.html> Acesso em junho de 2019.

Otto, S.C; Santos, K.A. O Tumblr e sua relação com práticas autodestrutivas: o caráter epidemico da autolesão. Psic. Rev. São Paulo, volume 25, n.2, 265-288, 2016.

Rogers, C. Um jeito de ser. São Paulo, EPU, 1983.

Sampaio, D. Lavrar o mar. Lisboa: Editorial Caminho, 2006.

World Health Organization (WHO). Preventing suicide: a global imperative. Geneva: WHO; 2002. Disponível em: http://whqlibdoc.who. int/publications.pdf. Acesso junho de 2019.

Publicado
2019-07-01
Seção
CIências da Saúde