DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DE MANDIOCA (Manihot esculenta CRANTZ) CULTIVADA COM DIFERENTES COMPRIMENTOS DE MANIVASSEMENTE

Resumo

O maior montante da produção de mandioca (Manihot esculenta) no Brasil é gerado por pequenos agricultores. No entanto, muitos produtores não adotam critérios mais apropriados em relação ao comprimento do material de propagação. Diante disso, objetivou-se avaliar o desenvolvimento vegetativo da mandioca, considerando-se diferentes comprimentos de manivas-semente. O experimento foi conduzido em blocos casualizados, com tratamentos compostos de cinco comprimentos das manivas-semente (5, 10, 15, 20 e 25 cm) e quatro repetições. As avaliações de desenvolvimento foram realizadas aos 60 e 120 dias após plantio (DAP). Foram avaliados percentagem de brotação, brotação por cova, altura de plantas, diâmetro, distância entre nós, ramificações e comprimento de ramificações. Os dados encontrados foram submetidos à análise de variância, e, quando significativos, submetidos à análise de regressão. Os resultados mostraram um aumento linear na porcentagem de brotações em função dos maiores comprimentos de manivas-semente, assim como o número de brotações por cova. A altura de plantas também foi influenciada por esse fator. Assim, recomenda-se a utilização de manivas de maior comprimento para a obtenção de melhores índices de desenvolvimento vegetal para essa cultura.

Publicado
2020-08-13
Seção
Ciências Agrárias