CONDIÇÕES LABORAIS DOS AGENTES DE COMBATE A ENDEMIAS E SEUS EFEITOS À SAÚDE

  • Antonio Rodrigues Ferreira Junior Universidade Estadual de Campinas
  • Amélia Romana Almeida Torres Faculdades INTA
  • Carine Meres Albuquerque da Silva Faculdades INTA

Resumo

Objetivo: identificar doenças, acidentes de trabalho e queixas relacionadas ao trabalho dos Agentes de Combate as Endemias (ACE). Métodos: trata-se de uma pesquisa exploratória descritiva com abordagem qualitativa, realizada em 2014,com doze ACE do município sede de macrorregião de saúde do interior do Ceará. As informações foram coletadas por meio de entrevista semi-estruturada e a Análise de conteúdo foi o método de tratamento dos dados obtidos. Resultados e discussão: Dentre as queixas relacionadas ao trabalho estão a exposição solar, o peso da bolsa e da escada, o trabalho em altura, violência urbana, falta de Equipamento de Proteção Individual e a exposição aos produtos químicos. As doenças e sintomas referidos pelos trabalhadores foram: risco de câncer de pele, dores associadas a Lesões por Esforço Repetitivo e Distúrbios Osteo Musculares Relacionados ao Trabalho, cefaleia e tonturas. As quedas de altura e as mordidas de cachorro e gato são apontados como os acidentes mais frequentes. Considerações finais: Os ACE estão expostos a diversos riscos a saúde durante seu trabalho cotidiano, o que potencializa as possibilidades de danos a estes profissionais. Esta situação exige organização do setor público para otimizar ações de prevenção de agravos nestes trabalhadores. 

Biografia do Autor

Antonio Rodrigues Ferreira Junior, Universidade Estadual de Campinas
Doutor em Saúde Coletiva
Amélia Romana Almeida Torres, Faculdades INTA
Departamento de Enfermagem
Carine Meres Albuquerque da Silva, Faculdades INTA
Departamento de Enfermagem

Referências

BAHIA. Secretaria da Saúde do Estado, Superintendência de Vigilância e Proteção da Saúde, Diretoria de Vigilância e Atenção à Saúde do Trabalhador. Orientações Técnicas para Proteção da Saúde dos Agentes de Saúde. Organizadores: NOBRE, L. C.C. et al. Salvador: CESAT/DIVISA/DIVEP/DAB/SAIS/CIAVE, 2012.

BITTAR, R. S. M. et al. Estudo Epidemiológico populacional da prevalência de tontura na cidade de São Paulo. Braz. j. Otorhinolaryngol. São Paulo, v. 79, n. 6, p. 688-698, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde.Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Dor relacionada ao trabalho : lesões por esforços repetitivos (LER): distúrbios osteo musculares relacionados ao trabalho (DORT) / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2012b.

BRASIL. Portaria nº 1.823, de 23 de agosto de 2012. Institui a Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 24 ago.2012a.

CONASS. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Vigilância em Saúde - Parte 1. Brasília: CONASS, 2011.

CRIADO, P. R.; MELO, J. N.; OLIVEIRA, Z. N.P. Fotoproteção tópica na infância e na adolescência. J. Pediatr. (Rio J.),Porto Alegre , v. 88, n. 3, p. 203-2010, 2012.

DIAS, M. D. A. Compreender o trabalho na Atenção Primária à Saúde para desenvolver ações em Saúde do Trabalhador: o caso de um município de médio porte. Rev. bras. saúde ocup. vol.38 no.127. São Paulo jan./jun. 2013.

FRAGA, L. S.; MONTEIRO, S. A gente é um passador de informação: práticas educativas de agentes de combate a endemias no serviço de controle de zoonoses em Belo Horizonte, MG. Saude soc., São Paulo , v. 23, n. 3, p. 993-1006, 2014.

FUNDAÇÃO NACIONAL DA SAÚDE. FUNASA. Cronologia Histórica da Saúde Pública: Uma Visão Histórica da Saúde Brasileira. Brasil, 2011. Disponível em: http://www.funasa.gov.br/site/museu-da-funasa/cronologia-historica-da-saude-publica/. Acesso em: 10 jun.2014.

GUIDA, H. F. S. et al. As relações entre saúde e trabalho dos agentes de combate às endemias da Funasa: a perspectiva dos trabalhadores. Saúde soc. São Paulo, v.21, n.4, p. 858-870, 2012.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico2010.Disponívelem:http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default.shtm Acesso em: 20 jun.2014.

LIMA, A. G. et al. Fotoexposição solar e fotoproteção de agentes de saúde em município de Minas Gerais. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. v.12, n. 3, p.478-82, 2010. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v12i3.6156. Acesso em: 25 jun.2014.

LIMA, E. P. et al. Exposição a pesticidas e repercussão na saúde de agentes sanitaristas no Estado do Ceará, Brasil. Ciênc. saúde coletiva., Rio de Janeiro, v.14, n.6, p. 2221-2230, 2009.

MALTA, D. C. et al. Características e fatores associados às quedas atendidas em serviços de emergência. Rev. Saúde Pública. São Paulo, v. 46,n. 1, p. 128-137,2012.

MASCARENHAS, C. H. M.; PRADO, F. O.; FERNANDES, M. H. Dor músculo esquelética e qualidade de vida em agentes comunitários de saúde. Rev. salud pública, Bogotá , v. 14, n. 4, p. 669-680, 2012.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: 12ª ed. Hucitec, 2010.

SILVA, C. B. et al. Exposição ocupacional ao difluobenzuron: avaliação de metemoglobina após a jornada de trabalho dos guardas de endemias atuantes na região do grande Rio de Janeiro. Cad. saúde colet., Rio de Janeiro ,v. 22, n. 2, p.142-149, 2014 .

Publicado
2016-03-30
Seção
CIências da Saúde