TEMPOS DE MUDANÇA NA FORMAÇÃO DAS EDUCADORAS DE INFÂNCIA

  • Teresa Sarmento Universidade do Minho, Portugal

Resumo

A formação de educadoras de infância foi desenvolvida, ao longo dos tempos, numa centralidade muito forte na criança, nas concepções construídas sobre e com as mesmas nos seus processos de aprendizagem e desenvolvimento, numa perspectiva de integração de saberes que são apropriados globalmente. Os contextos de formação inicial das educadoras de infância passaram de escolas normais ou magistérios para as instituições de ensino superior, tendo-se conseguido avançar, ao longo das últimas décadas, na perspectiva de um saber específico para trabalhar com as crianças pequenas. Ao mesmo tempo, à ação pedagógica das educadoras de infância, juntaram-se outras funções, sobretudo de âmbito organizacional, que obrigam a repensar a formação. Em termos globais, poderemos então dizer que à medida que se foram alargando as áreas de intervenção das educadoras de infância, assim se foi consolidando a importância da sua formação aprofundada, o que tenderá a facilitar o reconhecimento do seu estatuto profissional. No presente artigo tentaremos abordar a articulação da formação com as identidades profissionais dos professores de crianças pequenas, ou seja, das educadoras de infância (designação utilizada em Portugal) ou professoras de infantil (designação utilizada no Brasil), a partir de um olhar situado em Portugal.

Biografia do Autor

Teresa Sarmento, Universidade do Minho, Portugal
Doutora em Estudos da Criança pela Universidade do Minho/Portugal. Docente do Instituto de Educação/Universidade do Minho. Bolseira FCT (FSE-MEC).

Referências

ALARCÃO, I. Professor-Investigador. Que sentido? Que formação? In: Campos, B. (Org), Formação Profissional de Professores no Ensino Superior, pp. 21-30. Porto: Porto Editora, 2001.

ALONSO, Luísa G. Inovação Curricular, Formação de Professores e melhoria da escola – uma abordagem reflexiva e reconstrutiva sobre a prática da inovação/formação. Braga: IEC-UM (policopiado), 1998.

AMIGUINHO, A. Formação de professores – à procura de projetos institucionais globais. In: Revista Aprender, nº21, pp. 34-45, 1998.

BOURDONCLE, Raymond. La professionalisation des enseignants: analyses sociologiques anglaises et américaines. In: Revue Française de Pédagogie, nº 94, pp. 73-92, 1991.

_______. La professionalisation des enseignants: les limites d'un mythe. In: Revue Française de Pédagogie, nº 105, pp. 83-119, 1993.

CANÁRIO, R. A prática profissional na formação de professores. In Campos, B. (Org). Formação Profissional de Professores no Ensino Superior, pp. 31-45. Porto: Porto Editora, 2001.

ETZIONNI, A. The Semi-professions and their Organization – Teachers, Nurses, Social Workers. New York: The Free Press, 1969.

FORMOSINHO, J. A formação prática de professores. Da prática docente na instituição de formação à prática pedagógica nas escolas. In: Campos, B. (Org), Formação Profissional de Professores no Ensino Superior, pp. 46-63. Porto: Porto Editora, 2001.

_______. Universitisation of teacher education. Gassner. Otmar (Ed.) Strategies of change in teacher education: European views, pp. 105 -127. Feldkirch, Austria: ENTEP (European Network on Teacher ducation Policies), 2002.

_______. Quatro modelos ideais de formação de professores: o modelo empiricista, o modelo teoricista, o modelo compartimentado e o modelo integrado. In: G.E.P. (Orgs.), As ciências da educação e a formação de professores, pp. 81-100. Lisboa: Ministério da Educação, 1987.

_______. Modelos e Processos de Formação de Educadores e Professores. Braga: I.E.C.-UM (policopiado), 1998.

HOLLY, Mary; WALLEY, Carl. Teachers as professionals. In: Mary Louise Holly & Caven S, Mcloughlin (Orgs.). Perspectives on Teacher Professional Development. Londres: The Falmer Press, 1989.

HUBERMAN, Michael. The lives of teachers. Londres: Teachers College Press, 1988.

KATZ, Lilian. Helping others learn to teach. Urbana: Elementary and Early Childhood Education, 1979.

_______. Será a educação de infância encarada como uma profissão? Conferência ECHO. Inglaterra, 1985.

_______. Entrevista de Teresa Vasconcelos. In: Cadernos de Educação de Infância, nº 27, pp. 13-16, 1993.

_______; RATH, James. Six dilemas in teacher education. In: Journal of Teacher Education, n. 43, v. 5, pp. 376-385, 1992.

LARSON, M. The rise of professionalism: a Sociological Analysis. Londres: Univ California Press, 1977.

MARCELO, Carlos. Introduccion a la formacion del profesorado, Teoría Y Métodos. Sevilla: Ed. U. Sevilha, 1989.

_______. Formación del profesorado para el cambio educativo. Barcelona: PPU, 1994.

NÓVOA, António. Le temps des Professeurs, Analyse socio-historique de la profession enseignante au Portugal XVIII-XX Siècle. Lisboa : INIC, 1987.

_______. Profissão Professor, Reflexões Históricas e Sociológicas. Porto: Porto Editora, 1989.

_______. O passado e o presente dos professores. In: Nóvoa, A. (Org.), Profissão Professor. Porto: Porto Editora, pp. 9-33, 1991ª.

_______. Formação de professores e profissão docente. In: Nóvoa A. (Org.), Os professores e a sua formação. Lisboa: IIE, pp. 15-33, 1992b.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia e FORMOSINHO, João. Associação Criança: Um Contexto de Formação em Contexto. Braga: Livraria Minho, 2001.

_______. A Formação de Profissionais de Educação da Criança – a construção da identidade profissional do educador de infância como instrumento para a qualidade no atendimento educacional à criança. In: APEI (Org.), 5º Encontro Nacional. Lisboa: APEI, 1994.

_______. Em direcção a um modelo ecológico de supervisão de educadoras de infância. In: Inovação, v. 10, n. 1, pp. 89-110, 1997ª.

_______. O Desenvolvimento Profissional das educadoras de Infância - um estudo de caso. Tese de Doutoramento. Braga: IEC-UM, 1998.

RIVILLA, Antonio. La formacion del profesorado para una nueva educacion infantil. Madrid: Cindel, 1993.

ROGERS, Carl. Tornar-se Pessoa. Lisboa: Moraes Editores, 1974.

ROLDÃO, Maria Céu. A formação como projecto. Do plano mosaico ao currículo como projecto de formação. In: CAMPOS, B. (Org). Formação Profissional de Professores no Ensino Superior, pp. 6-20. Porto: Porto Editora, 2001.

ROCHA, S.. A pesquisa como eixo norteador do estágio supervisionado na formação docente. In: ROCHA, S. (Org) Formação de Professores e práticas em discussão. Cuiabá: EdUFMT, 2008.

SARACHO, Olivia; SPODEK, Bernard. Early Childhood Teacher Certification and Credentialing in the United States. In: Roy EVANS e Olivia SARACHO (Eds.). Teacher Preparation for Early Childhood Education. Grã Bretanha: Gordon and Breach Science, pp. 43-56, 1992.

SARMENTO, Manuel. A Vez e a Voz dos Professores, Contributo para o Estudo da Cultura Organizacional da Escola Primária. Porto: Porto Editora, 1994.

SCHWEINHART, L.J., BARNES, H.V., WEIKART, D.P., BARNETT, W.S. AND EPSTEIN, A.S.. Significant benefits: The High/Scope Perry Preschool study through age 27. In: High/Scope Educational Research Foundation Monograph, n. 10, High/Scope Press, Ypsilanti, MI, 1993.

SHULMAN, Lee. Ways of seeing, ways of knowing: ways of teaching, ways of learning about teaching. In: Journal of Curriculum Studies, v. 23, n. 5, pp. 393-395, 1991.

SILVA, Isabel. Construção participada de Orientações curriculares para a educação de pré-escolar. In: Inovação, v. 10, n.1, pp. 37-54, 1997.

SPODEK, Bernard; SARACHO, Olivia; PETERS, Donald. Professionalism and the Early Childhood Practitioner. New York: Teachers College Press, 1988.

VANDER VEN. Pathways to professional effectiveness for early childhood educators. In: SPODEK, SARACHO e PETERS (Eds.). Professionalism and the early childhood practitioner. New York: Teachers College Press, pp. 137-160, 1988.

VASCONCELOS, Teresa. Que estás a fazer na minha casa?- Educação pré-escolar, Educadoras e Cultura de Poder. In: APEI (Org.). 5º Encontro Nacional, Lisboa: APEI, 1993.

_______. Houses and fields and vineyards shall yet again be bought in this land Illinois (Tese de Doutoramento) In: _______. Ao Redor da Mesa Grande. Porto: Porto Editora, 1997.

ZABALZA, Miguel. Didáctica de la educación infantil. Madrid: Narcea Ediciones, 1996.

_______. Calidad en la educacion infantil. Madrid: Narcea Ediciones, 1996ª.

ZEICHNER, Ken. Novos caminhos para o practicum: uma perspectiva para os anos 90. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: IIE, pp. 115-138, 1992.

WILLMS, E.; CARVALHO, A. O tema gerador no estágio do curso de pedagogia do ICHS/CUR/UFMT: pressupostos teóricos. In ROCHA, S. (Org). Formação de Professores e práticas em discussão. Cuiabá: EdUFMT, pp. 21-37, 2008.

Publicado
2016-06-17
Seção
Ciências da Educação