ESTUDO SOCIODEMOGRÁFICO E EPIDEMIOLÓGICO DE PACIENTES HIPERTENSOS DO MUNICÍPIO DE SÃO BENEDITO-CE-BRASIL

  • Alexsandro Aguiar Ferreira Farmacêutico do Centro Universitário Inta - UNINTA.
  • Brenda Bezerra Vasconcelos Aluna do curso de Medicina do Centro Universitário Inta - UNINTA.
  • Maria Auxiliadora Silva Oliveira Docente do curso de Medicina do Centro Universitário Inta - Uninta, servidora da Universidade Federal do Ceará - UFC

Resumo

Introdução: A hipertensão arterial assume altos valores em relação à prevalência, sendo uma doença crônica que apresenta elevado custo social, pois é um dos mais importantes fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Objetivos: O objetivo deste trabalho foi caracterizar os pacientes hipertensos atendidos em uma farmácia comunitária no município de São Benedito (CE), identificando idade, gênero, hábitos de vida, cor, escolaridade, estado civil, comorbidades. Método: A metodologia utilizada foi a entrevista, com aplicação de questionário. A amostra constou de 102 pacientes. Resultados: Os resultados deste estudo apontam para uma maior prevalência de hipertensão arterial sistêmica em pessoas com idade superior a 50 anos. O sexo mais acometido foi o masculino (58%), e a cor branca (36%). Os 61% dos entrevistados são casados e 76% possuíam até o ensino fundamental completo. Constatou-se, ainda, que os pacientes não têm em sua maioria hábitos alcoolistas (58%), não fumam (63%), e possuem hábitos de vida pouco saudáveis, alimentando-se com comidas salgadas e condimentadas (81%) e não praticando atividade física (68%). Em relação as comorbidades 38% apresentavam gastrite e 28% eram portadores de Diabetes mellitus. Os resultados deste estudo contribuíram de forma significativa para um olhar mais reflexivo a respeito da pessoa hipertensa, contribuindo para uma reflexão sobre a realidade dos problemas da hipertensão na cidade de São Benedito/CE. 

Referências

CARLOS, P.R. et al. Perfil de hipertensos em um núcleo de saúde da família. Arq de Ciênc da Saúde. 2008; 15 (4): 176-81.

FUCHS, F.D. Hipertensão arterial sistêmica. In: Duncan BB, Schmidt MI, Giugliani E. Medicina Ambulatorial: condutas em atenção primária baseadas em evidências. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed. 2013.

FONSECA, F. de C.A. et al. A influência de fatores emocionais sobre a hipertensão arterial. J Bras de Psiquiatr. 2009; 58 (2). Doi.org/10.1590/S0047-20852009000200011.

BENOWITZ, N.L. Agentes anti-hipertensivos. In: Katzung BG. Farmacologia Básica e Clínica. 10ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2010.

SBC - Sociedade Brasileira de Cardiologia. V Diretriz Brasileiras de Hipertensão arterial. 2007. (acesso em 12 out. 2014). Disponível em: ..

SHOJI, S.L.; AMARANTE, L.C.; LOURENÇO, E.B. Perfil dos hipertensos usuários de medicamentos da farmácia popular de Alfenas-MG. Udesc em Ação, 2009; 3 (1). (Acesso em 11 maio 2015). Disponível em: < http://www.revistas.udesc.br/index.php/udescemacao>.

COSTA, M.E.P.; SOUZA, R.B. Perfil do adulto com hipertensão arterial atendido no ambulatório de cardiologia em um hospital municipal – Caruaru - PE. (Monografia). Sociedade de Educação do Vale do Ipojuca LTDA. Faculdade do Ipojuca. Curso de Graduação em Nutrição. Caruaru, 2008. (Acesso em 10 out. 2014). Disponível em:

OLIVEIRA, S.G. Caracterização dos pacientes hipertensos e diabéticos atendidos em serviço de urgência e emergência no município de Dourados - MS. (Dissertação). Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz, 2010. (Acesso em 11 set. 2014). Disponível em: .

SOUTO, D. Perfil terapêutico da hipertensão na Rede Médicos Sentinela – 12 anos depois. Rev Port Med Geral Fam. 2013; 1 (29): 286-96.

PETRUZZELLIS, E.A.; RODRIGUES, F.M.; BOCK, P.M. Perfil de pacientes hipertensos em uma drogaria de Porto Alegre-RS. Infarma. 2013; 25 (4): 170-177. Doi: http://dx.doi.org/10.14450/2318-9312.v25.e4.a2013.pp170-177.

SOUZA, S.S.; SILVA, J.M.; SANTOS, M.F. Análise do perfil da hipertensão e diabetes no município de Jequié-Ba. Revista InterScientia. 2014; 2 (1): 63-76.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA; Sociedade Brasileira de Hipertensão; Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arq Bras de Cardiol. 2010; 95 (1): 1-51. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2010001700001

SILVA, K.L. et al. Aspectos emocionais dos hipertensos na liga de hipertensão do hospital universitário. Rev do Hospital Universitário, 2006; 7 (1): 9-13.

FONSECA, R.M. Estilo de vida apropriado para pacientes portadores de hipertensão arterial sistêmica essencial. (Acesso em agos. 2015). Disponível na: http://www.fmc.br/tcc23.pdf.

ZATTTUNE, M.P.A et al. Hipertensão arterial em idosos: prevalência, fatores associados e práticas de controle no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad de Saúde Pública. 2006; 22 (2): 285-294. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2006000200006

SALCEDO-BARRIENTOS, D.M.; SIQUEIRA, E.F.G.; EGRY, E.Y. Determinantes Sociais & Hipertensão Arterial: um desafio na saúde coletiva. Av en Enferm. 2013; 31 (1).

TRINDADE, F.T. Perfil clínico, social e motivos de faltas em consultas de hipertensos e/ou diabéticos. Rev Eletr de Enf. 2013; 15 (2): 496-505. Doi: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v15i2.16909.

TAVARES, D.M.S. Qualidade de vida de idosos com e sem hipertensão arterial. Rev Eletr de Enf. 2011; 13 (2): 211-218. Doi: http://www.fen.ufg.br/revista/ v13/n2/v13n2a07.htm.

OLIVEIRA, S.M.J.V. Hipertensão arterial referida em mulheres idosas: prevalência e fatores associados. Texto e Contexto em Enfermagem. 2008; 17 (2): 241-249.

LIMA, T.M.; SOLER, O.; MENINERS, M.M.M. A. Perfil de adesão ao tratamento de pacientes hipertensos atendidos na Unidade Municipal de Saúde de Fátima, em Belém, Pará, Amazônia, Brasil. Rev Pan-Amaz Saúde. 2010; 1 (2): 113-120. Doi: http://dx.doi.org/10.5123/S2176-62232010000200014.

JESUS, E.S. Perfil de um grupo de hipertensos: aspectos biossociais, conhecimentos e adesão ao tratamento. Acta Paul Enferm. 2008; 21 (1): 59-65. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002008000100009.

PERES, D.S.; MAGNA, J.M.; VIANA, L.A. Portador de hipertensão arterial: atitudes, crenças, percepções, pensamentos e práticas. Rev Saúde Pública. 2003; 37(5):635-642. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102003000500014

IV Diretrizes Brasileiras da Hipertensão Arterial. Rev Bras Hipertens. 2002; 9 (4): 359-408.

DDINE, L.C. Fatores associados com a gastrite crônica em pacientes com presença ou ausência do Helicobacter pylori. ABCD Arq Bras Cir Dig. 2012; 25 (2): 96-100. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-67202012000200007

CRUZERA, A.B.; UTIMURA, R.; ZATZ, R. A hipertensão no diabete. HiperAtivo. 1998; 5 (4): 261-266

LUZ, T.C.B. Fatores associados ao uso de antiinflamatórios não esteróides em população de funcionários de uma universidade no Rio de Janeiro: Estudo Pró-Saúde. Rev Bras de Epidemiol. 2006; 9 (4): 514-526. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2006000400012

PLAVNIK, F.L. Hipertensão arterial induzida por drogas: como detectar e tratar. Rev Bras Hipertens. 2002; 9 (2): 185-191.

BOING, A.C.; BOING, A.F. Hipertensão arterial sistêmica: o que nos dizem os sistemas brasileiros de cadastramentos e informações em saúde. Rev Bras Hipertens. 2007; 14 (2): 84-88.

Secretaria de Políticas Públicas/MS. Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes mellitus: fase de detecção de casos suspeitos de DM. Rev Saúde Pública. 2001;35(5):490-493. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102001000500014

NOBLAT, A.C.B. Complicações da hipertensão arterial em homens e mulheres atendidos em um ambulatório de referência. Arq Bras de Cardiol. 2004; 83 (4): 308-313. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2004001600006

MARTINS, M.P.S.C. Consumo alimentar, pressão arterial e controle metabólico em idosos diabéticos hipertensos. Rev Bras Cardiol. 2010; 23 (3): 162-170.

PIATI, J.; FELICETTI, C.R.; LOPES, A.C. Perfil nutricional de hipertensos acompanhados pelo Hiperdia em Unidade Básica de Saúde de cidade paranaense. Rev Bras Hipertens. 2009; 16 (2): 123-129.

SBH – Sociedade Brasileira de Hipertensão. Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial V. Sociedade Brasileira de Hipertensão; Sociedade Brasileira de Cardiologia; Sociedade Brasileira de Nefrologia, 2006.

SALES, J.C.S. Perfil epidemiológico dos pacientes hipertensos de um centro de saúde, Teresina, PI. Rev Multiprofissional em Saúde do Hospital São Carlos. 1 (1).

GLANER, M.F. Índice de massa corporal como indicador da gordura corporal comparado às dobras cutâneas. Rev Bras Med Esporte. 2005; 11 (4): 243- 6.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão arterial. Arq Bras Cardiol. 2007; 89 (3): 24-79.

SBH – Sociedade Brasileira de Hipertensão. IV Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Prevenção primária. Rev Bras Hipertens. 2002; 9 (4): outubro/dezembro.

BRASIL. Ministério da Saúde. Caderno de atenção básica. Hipertensão arterial sistêmica. n.15. Brasília: MS; 2006.

CARLOS, P.R. Perfil de hipertensos em um núcleo de saúde da família. Arq Ciênc Saúde. 2008; 15 (4):176-81.

SANTOS-PINTO, C.D.B.; COSTA, N.R.; OSÓRIO-DE-CASTRO, C.G.S. Quem acessa o Programa Farmácia Popular do Brasil? Aspectos do fornecimento público de medicamentos. Ciênc e Saúde Coletiva. 2011; 16 (6): 2963-2973. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000600034

Listagem oficial dos medicamentos disponibilizados gratuitamente pelo programa Aqui tem Farmácia Popular do Brasil. Disponível na: https://www.celos.com.br/farmaciapopular/03%20%20Medicamentos%20Gratuitos%20-%20Listagem.pdf. Acesso em agosto de 2015.

Publicado
2017-12-05
Seção
CIências da Saúde