Testagem de HIV na atenção primária: limites e potencialidades em Fortaleza

  • Denise Zakabi USP

Resumo

O Ministério da Saúde tem recomendado a ampliação da testagem de HIV para a atenção primária. Este artigo buscou compreender como ocorre a oferta e pedido de teste HIV, na atenção primária, a partir da perspectiva de profissionais de saúde de Fortaleza. Buscou-se analisar se há espaço para diálogo entre profissionais de saúde e usuários, tendo como perspectiva teórica a prática do acolhimento. Foram realizadas duas entrevistas com gestores e oito entrevistas semiestruturadas com profissionais de saúde de Fortaleza e análise temática dos conteúdos. Segundo os entrevistados, há condições relacionadas à organização do trabalho que dificultam o atendimento e até impossibilitam a realização de aconselhamento durante o pedido de teste de HIV, além do estigma associado historicamente ao HIV. Os pedidos de teste anti-HIV são realizados rotineiramente quando relacionados aos programas de tuberculose, pré-natal e nos casos de DST. Em caso de recusa no pré-natal, os profissionais precisam se confrontar com dilemas morais entre informações técnicas e valores ético-políticos. Fora dos programas mencionados, há dificuldade de os profissionais oferecerem o teste pelo estigma associado ao HIV.  Destacaram-se ações de educação em saúde criativas, voltadas para prática da prevenção às DST/aids, que favoreceram a formação de vínculo entre profissional de saúde e usuário e demanda pelo teste de HIV. Nesse sentido, o incentivo para ações criativas e a formação continuada dos profissionais de saúde mostra-se importante para lidar com as limitações encontradas.

Biografia do Autor

Denise Zakabi, USP
Mestra pelo Departamento de Medicina Preventiva pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e doutoranda pelo Departamento de Psicologia da Aprendizagem, do Desenvolvimento e da Personalidade do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Aconselhamento em DST/HIV/Aids para a Atenção Básica. Brasília (DF): 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada - manual técnico. Brasília (DF): 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim epidemiológico HIV Aids. Ano IV - nº 1 da 27ª à 53ª semana epidemiológica - julho a dezembro de 2014. Ano IV - nº 1 da 01ª à 26ª semana epidemiológica - janeiro a junho de 2015. Brasília (DF): 2015.

DANTAS, V. L. A. Dialogismo e arte na gestão em saúde: a perspectiva popular nas Cirandas da Vida em Fortaleza-CE. Fortaleza, 2009. 323 p. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza. 2005.

D’ OLIVEIRA, A. F. P. L.; SCHRAIBER, L. B. Violência de Gênero, Saúde Reprodutiva e Serviços. In: GIFFIN, K.; COSTA, S. H. Questões da saúde reprodutiva. Rio de Janeiro: Fiocruz; 1999. cap. 15. p. 281-296.

FERRAZ, D. A. S.; NEMES, M. I. B. Avaliação da implantação de atividades de prevenção das DST/AIDS na atenção básica: um estudo de caso na Região Metropolitana de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 25 Sup 2:S240-S250, 2009.

FRANÇA JUNIOR I., AYRES, J. R. C. M. Saúde pública e direitos humanos. In: FORTES, P. A. C.; ZOBOLI, E. L. C. P. Bioética e saúde pública. São Paulo: Centro Universitário São Camilo/ Edições Loyola, 2003. Cap. 5, p. 63-69.

GOFFMANN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4ª ed. Rio de Janeiro (RJ): LTC, 2008.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11ª edição. São Paulo (SP): Hucitec; 2008.

MORENO, J. L. Psicoterapia de grupo e psicodrama. São Paulo (SP): Mestre Jou, 1959.

OBERMEYER, C. M.; OSBORN, O. M. The Utilization of Testing and Counseling for HIV: A Review of the Social and Behavioral Evidence. Am J Public Health, v 97, p 1762-1774, 2007.

SCHRAIBER, L. B. Pesquisa qualitativa em saúde: reflexões metodológicas do relato oral e produção de narrativa em estudo sobre a profissão médica. Rev. Saúde Pública, v 29, n 1, p 63-74, 1995.

SCHRAIBER, L. B. No encontro da técnica com a Ética: o exercício de julgar e decidir no cotidiano do trabalho em Medicina. Interface (Botucatu), v 1, n 1, 1997.

SILVA, N. E. K.; AYRES, J. R. C. M. Estratégias para comunicação de diagnóstico de HIV a parceiros sexuais e práticas de saúde. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro, 25, n 8, p 1797-1806, ago, 2009.

TEIXEIRA, R. R. Humanização e Atenção Primária à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v 10, n 3, p 585-597, 2005.

ZAKABI, D. Aconselhamento pré e pós-teste anti-HIV na atenção básica: a perspectiva dos profissionais de saúde. São Paulo, 2012. 129 p. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) – Faculdade de Medicina,

Universidade de São Paulo, São Paulo. Disponível em:

<http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5137/tde-01032013-

/publico/DeniseZakabi.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2016.

Publicado
2017-08-01
Seção
CIências da Saúde