CUIDADO DE ENFERMAGEM AO PACIENTE VENTILADO ARTIFICIALMENTE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

  • Ana Elza Fontenele Rocha Hospital Regional do Norte
  • Francisca Alanny Araújo Rocha Centro Universitário INTA, UNINTA
  • José Jeová Mourão Neto Hospital Regional do Norte
  • Francisco Meykel Amancio Gomes Centro Universitário INTA, UNINTA
  • Maria Samara Vasconcelos Cisne Secretária Municipal de Saúde, Sobral

Resumo

Dentre os cuidados mais complexos prestados pelo enfermeiro que trabalha em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), está a assistência ao paciente mantido sob ventilação mecânica (VM), que é um dos suportes à vida de grande importância nesses locais de tratamento intensivo e que se configura como um dos recursos comumente utilizados para a manutenção/recuperação das condições vitais. A atenção aos pacientes sob VM na UTI torna-se responsabilidade dos enfermeiros, partindo-se do pressuposto de que a evolução positiva deles depende de cuidados contínuos, capazes de promover a identificação de problemas que atinjam diretamente suas necessidades. Nesse contexto, o enfermeiro, como membro integrante da equipe da UTI, está envolvido no processo do cuidado dos pacientes submetidos a VM e deve estar preparado e capacitado para tal finalidade. O objetivo geral do estudo é identificar as evidências científicas acerca do cuidado de enfermagem prestado aos pacientes submetidos a ventilação mecânica. O estudo é do tipo Revisão Integrativa, em que foram analisados artigos disponibilizados nas bases de dados SCIELO e LILACS. As publicações selecionadas seguiram o instrumento proposto por Silveira (2005) e Nour (2013). Os resultados obtidos foram divididos em duas categorias distintas: competências do enfermeiro na UTI e cuidado de enfermagem ao paciente ventilado artificialmente em Unidade de Terapia Intensiva. O enfermeiro exerce papel fundamental na UTI, assumindo os cuidados com os pacientes mais graves, além das atividades de organização e coordenação dos serviços, desenvolvendo, de forma compartilhada, as atividades assistenciais e gerenciais. O cuidado de enfermagem ao paciente ventilado artificialmente abrange uma vasta gama de ações, que em sua complexidade, exigem do enfermeiro conhecimento prévio e habilidade prática para que as necessidades assistenciais dos pacientes sejam supridas.

Biografia do Autor

Ana Elza Fontenele Rocha, Hospital Regional do Norte
Enfermeira. Especialista em Terapia Intensiva. Plantonista da Emergência Pediátrica do Hospital Regional Norte, Sobral, Ceará.
Francisca Alanny Araújo Rocha, Centro Universitário INTA, UNINTA
Enfermeira. Mestre em Saúde da Família. Docente do Curso de Enfermagem do Centro Universitário INTA (UNINTA)
José Jeová Mourão Neto, Hospital Regional do Norte
Enfermeiro. Mestre em Saúde da Família. Docente da Especialização em UTI da ESP-CE. Plantonista da Emergência Adulta do Hospital Regional do Norte, Ceará.
Francisco Meykel Amancio Gomes, Centro Universitário INTA, UNINTA
Enfermeiro. Mestre em Saúde da Família. Docente do Curso de Enfermagem do Centro Universitário INTA (UNINTA)
Maria Samara Vasconcelos Cisne, Secretária Municipal de Saúde, Sobral
Enfermeira. Especialista em Terapia Intensiva. Assistencialista na Estratégia Saúde da Família, Sobral, Ceará. 

Referências

AMERICAN THORACIC SOCIETY. Guidelines for the management of adults with hospitalacquired,ventilator-associated, and healthcare-associted pneumonia. Am J Respir Crit Care Med, v. 171, n. 4, p.

-416, 2005.

BENEFIELD, L.E. Implementing evidence-based practice in home care. Home Healthc Nurse, v. 21, n.12, p. 804-811, Dez 2003.

BIRKETT, K.M.; SOUTHERLAND, K.A.; LESLIE, G.D. Reporting unplannedextubation. Intensive Crit Care Nurs, n. 21, v. 2, p. 65-75, 2005

BRASIL. Biblioteca Virtual em Saúde. Ciências da saúde em geral. 2010. Disponível em:<http://regional.bvsalud.org/php/level.php?lang=pt&component=107&item=107>. Acesso em 23 de abril de 2015.

CAMELO, S.H.H. Competência do profissional de enfermagem para atuar e Unidades de Terapia Intensiva: uma revisão integrativa. Revista Latino-americana de Enfermagem, v. 20, n. 1, p. 192-200, Jan-Fev, 2012.

CHARLEBOIS, D.L.; EARVEN, S.S.; FISHER, C.A.; LEWIS, R.; MERREL, P.K. Cuidado ao paciente: sistema respiratório. In: MORTON, P.G.; FONTAINE, D.; HUDAK, C.M.; GALLO, B.M. Cuidados críticos de enfermagem: uma abordagem holística. 8ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan, p. 526-575, 2007.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 2ª ed. São Paulo (SP): Cortez. 1995.

CHRISTINE N. Caring for the mechanically ventilated patient:part one. Nurs Stand., v. 20, n. 17, p. 55-64, 2006.

CROSBY, L.J.; PARSONS, L.C. Cerebrovascularresponse of closed head-injured pacients to astandartized endotraqueal tube suctioning andmanual hiperventilation procedure. J Neurosci Nurs, Park Ridge, v. 24, n. 1, p. 40-49, Feb. 1992.

DEPPE, S.C.; et al. Incidence ofcolonization, nosocomial pneumonia andmortality in critically ill pacients using aTrachcare closed- suction system vesus an opensuctionsystem: prospective, randomized study. Crit Care Med, New York, v. 18, n. 12, p. 1039-1393, Dec. 1990.

DIRETRIZES BRASILEIRAS DE VENTILAÇÃO MECÂNICA (DBVM). Versão eletrônica oficial AMIB e SBPT. In: I Fórum de diretrizes em ventilação mecânica. 2013. Disponível em:

. Acesso em 01 de junho de 2016.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5ª Ed. São Paulo (SP): Editora Atlas S. A., 2010.

HILINSKI, A.M.; STARK, M.L. Memory aide to reduce the incidence of ventilator-associated pneumonia. Crit Care Nurse, v. 26, n. 5, p. 79-80, 2006.

JOHNSON, K.L.; et al. Closed versus open endotraqueal suctioning: costs and physiologic consequences. Crit Care Med, New York, v. 22, n. 4, p. 658-666, Apr. 1994.

KNOBEL, E. Condutas no paciente grave. 3ª ed. São Paulo (SP): Atheneu, 2006.

LAMBLET, C. R., BUSATO, M. Z., LUCINIO N.M.; CORRÊA A. G. Assistência respiratória. In: KNOBEL, E. Condutas no paciente grave. 3ª ed. São Paulo (SP): Atheneu, p. 2441-2453, 2006.

MARTINS, J.T; ROBAZZI, M.L.C; MARZIALE, M.H.P; GARANHANI, M.L; HADDAD, M.C.L. Significados do gerenciamento de unidade de terapia intensiva para o enfermeiro. Rev Gaúcha Enferm, v. 30, n. 1, p. 113-119, 2009.

MENDES, K.D.S; SILVEIRA, R.C.C.P; GALVÃO, C.M. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm, v. 7, n. 4, p. 758-764, Out 2008.

PASSOS, E; et al. Papel da enfermagem na assistência ao paciente com ventilação mecânica In: 2º Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica. JBras Pneumol, v. 26, n. 2, p. 27-34, 2000.

RITZ, R.; SCOTT, L. R.; COYLE, M.B.; PIERSON, D.J. Contamination of a multiple use suctioncatheter in a closed-circuit system compared to contamination of a disposable single use suctioncatheter. Respir Care,

Philadelphia, v. 31, n. 11, p. 1086-91, Nov. 1986.

ROY, G. Interventions by critical care nurses reduce VAP. Dynamics, v. 18, n. 3, p. 28-31; Quiz 32-33, 2007.

ROSS, A.; CRUMPLER, J. The impact of an evidence-basedpractice education program on the role of oral care in the prevention of ventilator-associated pneumonia. IntensiveCrit Care Nurs., v. 23, n. 3, p. 132-136, 2007.

SAMPAIO, L.A.B.N. Processo ensino-aprendizagem da técnica de aspiração endotraqueal: avaliação da implantação de um modelo padrão em um programa de educação continuada. São Paulo. 163 p. Dissertação (Mestrado) – Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, 1998.

SASSO G. T. M. D.; BARBOSA S. F. F. Perspectivas futuras a informática em enfermagem: a aplicabilidade dos ambientes hipermidia no processo ensino-aprendizagem. Texto & Contexto Enferm, v. 9, n. 1, p. 79-92, 2000.

SILVA R. C. L., PORTO I. S., FIGUEIREDO N. M. A. Reflexões acerca da assistência de enfermagem e o discurso de humanização em terapia intensiva. Esc AnnaNery, v. 12, n. 1, p. 156-159, 2008.

SMELTZER SC, BARE B. G. Princípios e práticas de reabilitação. Cuidados aos pacientes com distúrbios respiratórios. In: BRUNNER L. S.; SUDDARTH, D. S. Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 10ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 1495-560, 2009.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA. Diretrizes Brasileiras para o tratamento das pneumonias adquiridas no hospital e das pneumonias associadas à ventilação mecânica. J Bras Pneumol, n. 33, Supl. 1, S p. 1-30, 2007.

TAGGART, J.A.; DOMINSKY, N.L.; SHEAHRAN, J. S. Airway pressures during closed systemsuctioning. Heart Lung, St Louis, v. 17, n.5, p. 536-42, Sept. 1988.

WHITTEMORE, R.; KNAFL, K. The integrative review: updated methodology. J Adv Nurs, v. 5, n.14, p. 154-158, Jan 2005.

WILLING, M.H.; LENARDT, M. H. A prática gerencial do enfermeiro no processo de cuidar. Cogitare Enferm, v. 7, n. 1, p. 23-29.

ZUÑIGA, Q.G.P. Ventilação mecânica básica para enfermagem. São Paulo (SP): Atheneu, 2004.

ZUZELO PR, Gettis C, Hansell AW, Thomas L. Describing the influence of technologies on registered nurses’ work. Clin Nurse Spec, v. 22, n. 3, p. 132-40, 2008.

Publicado
2017-08-01
Seção
CIências da Saúde