AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR DE CRIANÇAS DO ENSINO INFANTIL

  • Igor Carneiro Gomes
  • João Paulo Carneiro Marques
  • David Johnny Silva Aragão

Resumo

O objetivo dessa pesquisa é mostrar a contribuição das aulas de Educação Física para o desenvolvimento psicomotor de crianças do Ensino Infantil. Caracteriza-se como sendo de campo, aplicada, ensaio clínico e quantitativa. Foi realizada com 10 crianças de 4 e 5 anos de idade. Foi utilizada, para a coleta dos dados, uma Bateria de Avaliação Psicomotora antes e após as atividades, contendo os testes de noção do corpo (NC) e estruturação espácio-temporal (EET). As atividades foram realizadas dentro de um período de quatro meses, totalizando 16 sessões de 20 minutos cada, uma vez por semana. Para a análise estatística foi utilizado o programa SPSS (Statistical Package for the Social Science), nele foi usado o teste T de amostras em pares. Na primeira avaliação de NC as crianças obtiveram uma média de 3,0 (± 0,35) pontos. Na segunda apresentaram uma média de 3,5 (± 0,28) pontos (p<0.05). Na primeira avaliação de EET as crianças tiveram uma média de 1,5 (± 0,38) pontos. Na segunda obtiveram uma média de 1,9 (± 0,29) pontos (p<0.05). De acordo com o exposto nesse trabalho, pode-se afirmar que, as aulas de Educação Física é um importante instrumento que contribui para o desenvolvimento psicomotor das crianças.

Biografia do Autor

Igor Carneiro Gomes

Professor de Educação Física. Especialista em psicopedagogia (INTA). Docente da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). igoreducacaosaude@gmail.com

 

João Paulo Carneiro Marques

Graduando em Educação Física pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). joaopaulocm1989@gmail.com

David Johnny Silva Aragão

Graduando em Educação Física pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). johnny.p.aragao@hotmail.com

Referências

BRASIL. Conselho nacional de saúde, resolução n° 466/12, de 12 de dezembro de 2012. Disponível em: <http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf>. Acesso em: 02 ago. 2015.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Educação Física: Ensino de quinta a oitava séries. – Brasília: MEC/SEF, 1998.

CAMPOS, Ana Carolina de; SILVA, Luiz Henrique; PEREIRA, Karina; ROCHA, Nelci Adriana Cicuto Ferreira; TUDELLA, Eloisa. Intervenção psicomotora em crianças de nível socioeconômico baixo. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.15, n. 2, p.188-193, abr./jun. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-29502008000200013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 30 mar. 2015.

CARVALHO, Elda Maria Rodrigues de. Tendências da educação psicomotora sob o enfoque Walloniano. Psicologia Ciência e Profissão, Brasília , v. 23, n. 3, p. 84-89, Set. 2003. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414- 98932003000300012&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 30 mar. 2015.

DARIDO, Suraya Cristina; RANGEL, Irene Conceição Andrade. Educação física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

FONSECA, Vítor da. Manual de observação psicomotora: significação psiconeurológica dos fatores psicomotores. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GONÇALVES, Fátima. Psicomotricidade & educação física: Quem quer brincar põe o dedo aqui. São Paulo: Cultura RBL, 2010.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

ROSSI, Franciele Santos. Considerações sobre a psicomotricidade na educação infantil. Vozes dos Vales: Publicações Acadêmicas. Minas Gerais, v. 1, n. 1, p. 1-18, mai. 2012. Disponível em: <http://site.ufvjm.edu.br/revistamultidisciplinar/files/2011/09/Considera%C3%A7%C3%B5es-sobre-a-Psicomotricidade-na-Educa%C3%A7%C3%A3o-Infantil.pdf>. Acesso em: 02 mai. 2015.

TEIXEIRA, Elizabeth. As três metodologias: acadêmica, da ciência e da pesquisa. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

Publicado
2017-11-06
Seção
Ciências da Educação