“EU SOU NEGRO LOIRO, E DAÍ NÉ!?” A COR DA PELE NA CONSTITUIÇÃO DAS IDENTIDADES INFANTIS

  • Leni Vieira Dornelles Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFGRS
  • Stéfani de Aguiar Vieira Colégio Associação Cristã de Moços, RS

Resumo

A partir dos Estudos das Infâncias e dos Estudos Culturais o trabalho, intitulado: “Eu sou negro loiro, e daí né!?”. A cor da pele na constituição das identidades infantis, foi realizada em uma Escola da Rede Privada de Porto Alegre com um grupo de vinte e nove crianças entre cinco a sete anos. A pesquisa busca entender como as crianças (re)constroem suas identidades e se a cor da pele se relaciona com tal produção. Traça uma metodologia de investigação que se volta para as crianças, fundamentando-se na etnografia pós-crítica de pesquisa com crianças, visa dar vez e voz a essas, como sujeitos ativos e imperativos na pesquisa. Utiliza conceitos como: identidade/diferença; infâncias; cor/raça para dar potência ao estudo, bem como de autores como Silva (2000), Skliar (2003), Dornelles (2005), Kaecher (2006 e 2013), Vieira (2015), dentre outros. Através da literatura infantil com temática afro-brasileira e diferenças aliada a inserção de materiais gráfico-plásticos propicia às crianças outras formas de ver-se enquanto branco, negro, mestiço, mulato, etc. Atenta que as infâncias são múltiplas e mostra nesta investigação que assim também são as formas como as crianças se veem e veem seus colegas, sobre suas raças – cores de peles. Convida crianças e professores a pensar e questionar o que vemos, assistimos ou falamos sobre a cor de pele, a problematizarem em seus espaços de sala de aula as questões relacionadas a cor da pele, identidades e diferenças, entendendo que esse tema só esta distante de quem não consegue olhar ao seu redor como mostram as crianças da pesquisa.

Biografia do Autor

Leni Vieira Dornelles, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFGRS
Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFGRS. Membro do Grupo de Estudos em Educação Infantil - GEIN/UFRGS.
Stéfani de Aguiar Vieira, Colégio Associação Cristã de Moços, RS
Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Professora do Colégio Associação Cristã de Moços

Referências

CUNHA, Susana Rangel Vieira da. Cenários da educação infantil. In: Educação & Realidade, Porto Alegre, n. 30, v. 2, p. 165-185, jul./dez. 2005a.

DORNELLES, Leni V.; BUJES, Maria Isabel E. (Orgs.). Educação e Infância na era da informação. Porto Alegre: Mediação, 2012.

_______; LIMA, Patrícia. Sobre a produção dos infantis e os (im)pensáveis percursos da pesquisa com crianças. In: DORNELLES, Leni Vieira; MARTINS FILHO, Altino. Crianças (entre)lugares: pesquisa, família, escola. (2014, no prelo).

IBGE. Indicadores sociais Mínimos. 2013. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos /conceitos.shtm. Acessado em 23 de Outubro de 2014.

KOHAN, Walter O. Vida e Morte da Infância, entre o Humano e o Inumano. In: Revista Educação e Realidade. Porto Alegre: FACED/UFRGS, 35(3), p. 125-138, set./dez., 2010.

KAERCHER, Gládis Elise Pareira da Silva. Parecer descritivo para a pré-banca de conclusão de curso do Trabalho de Conclusão “Esconde/Mostra: onde está a diferença no ensino da arte?”. 2013.

LARROSA, Jorge e LARA, Núria Pérez de. (orgs.). Imagens do outro. Petróplis: Vozes, 1998

SARMENTO, Manuel Jacinto. Sociologia da Infância: correntes e confluências. In: _______; GOUVEA, Maria Cristina Soares de. (Orgs.). Estudos da Infância: educação e práticas sociais. Petrópolis: Vozes, p. 17-39, 2009.

SILVA, Tomás T. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

SKLIAR, Carlos. Pedagogia (improvável) da diferença: e se o outro não estivesse aí? Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: Tomaz Tadeu da Silva (Org). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

Publicado
2016-03-31
Seção
Ciências da Educação