Encontros e conversas durante a testagem anti-HIV na atenção primária em São Paulo

  • Denise Zakabi USP
  • Ana Flávia Pires Lucas d'Oliveira Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
  • Ricardo Rodrigues Teixeira Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Resumo

O Ministério da Saúde tem recomendado a ampliação da testagem de HIV para a atenção primária, sob a perspectiva da análise de vulnerabilidade. O objetivo deste artigo foi analisar entrevistas realizadas com 11 profissionais de saúde da atenção primária de São Paulo sobre os encontros nos quais ocorrem o pedido e a comunicação do teste anti-HIV. A análise dos relatos dos entrevistados indicou que os profissionais demonstraram constrangimento em oferecer a testagem anti-HIV, exceto para casos com protocolos pré-estabelecidos, por temerem represália do usuário pelo estigma associado à aids. Destacou-se a prioridade do oferecimento da testagem para alguns grupos, particularmente: jovens, trabalhadores do sexo e homossexuais. Há, assim, um distanciamento entre o que é recomendado pelo MS e a prática da atenção primária, demonstrando a necessidade de supervisão e educação continuada para maior conjugação entre a teoria e a prática.

Biografia do Autor

Denise Zakabi, USP
Mestra pelo Departamento de Medicina Preventiva pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e doutoranda pelo Departamento de Psicologia da Aprendizagem, do Desenvolvimento e da Personalidade do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo
Ana Flávia Pires Lucas d'Oliveira, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.
Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1986), mestrado em Medicina (Medicina Preventiva) pela Universidade de São Paulo (1996) e doutorado em Medicina (Medicina Preventiva) pela Universidade de São Paulo (2000). Atualmente é docente da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Departamento de Medicina Preventiva.
Ricardo Rodrigues Teixeira, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
graduado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1985), mestrado (1993) e doutorado (2003) em Medicina Preventiva pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é Professor Doutor do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Referências

ARAÚJO, M. A. L.; FARIAS, F. L. R.; RODRIGUES, A. V. B. Aconselhamento pós-teste anti-HIV: análise à luz de uma teoria humanística de enfermagem. Esc. Anna Nery Rev. Enferm., v. 10, n. 3., p. 425-431, 2006.

AYRES, J. R. C. M. et al. O conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. In: CZERESNIA, D; FREITAS, C. M. (Org.). Promoção da saúde: conceitos, reflexões, tendência. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003. p.117-139.

BASSETT, I. V.; WALENSKY, R. P. Integrating HIV Screening into Routine Health Care in Resource-Limited Settings. Clinical Infectious Diseases, v. 50, n. 3, p. S77–S84, 2010.

BERQUÓ, E.; BARBOSA, R. M.; LIMA, L. P. Uso do preservativo: tendências entre 1998 e 2005 na população brasileira. Rev. Saúde Pública, v. 42, n. 1, p. 34-44, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Aconselhamento em DST, HIV e Aids: diretrizes e procedimentos básicos. Brasília, 1998.

BRASIL. Ministério da Saúde. Aconselhamento em DST/HIV/Aids para a Atenção Básica. Brasília, 2004a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Implicações Éticas do Diagnóstico e da Triagem Sorológica do HIV. Brasília, 2004b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada - manual técnico. Brasília, 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim epidemiológico Aids e DST. Brasília, 2010.

D' OLIVEIRA, A. F. P. L.; SCHRAIBER, L. B. Violência de Gênero, Saúde Reprodutiva e Serviços. In: GIFFIN, K; COSTA, S. H. (Org.). Questões da saúde reprodutiva. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1999, p. 281-296.

D' OLIVEIRA, A. F. P. L.; SCHRAIBER, L. B.; HANADA, H.; DURAND, J. Atenção integral à saúde de mulheres em situação de violência de gênero – uma alternativa para a atenção primária em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, n. 4, p. 1037-1050, 2009.

FERRAZ, D. A. S.; NEMES, M. I. B. Avaliação da implantação de atividades de prevenção das DST/AIDS na atenção básica: um estudo de caso na Região Metropolitana de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 25, n. 2, p. S240-S250, 2009.

FILGUEIRAS, S. L.; DESLANDES, S. F. Avaliação das ações de aconselhamento. Análise de uma perspectiva de prevenção centrada na pessoa. Cad. Saúde Pública, v. 15, n. 2, p. 121-131, 1999.

FRANÇA JUNIOR, I.; CALAZANS, G.; ZUCCHI, E. M. Mudanças no âmbito da testagem anti-HIV no Brasil entre 1998 e 2005. Rev. Saúde Pública, v. 42, n. 1., p. 84-97, 2008.

GOFFMANN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11ª ed. São Paulo: Hucitec, 2008.

NEMES, M. I. B. et al.. Avaliação da qualidade da assistência no programa de AIDS: questões para a investigação em serviços de saúde no Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 20, n. 2, p. S310-S321, 2004.

OBERMEYER, C. M.; OSBORN, O. M. The Utilization of Testing and Counseling for HIV: A Review of the Social and Behavioral Evidence. Am J Public Health, n. 97, p.1762-1774, 2007.

PAIVA, V et al.. Idade e uso de preservativo na iniciação sexual de adolescentes brasileiros. Rev. Saúde Pública, v. 42, n. 1, p. 45-53, 2008.

PUPO, L. R.; AYRES, J. R. C. M. Contribuições e Limites do Uso da Abordagem Centrada na Pessoa para a Fundamentação Teórica do Aconselhamento em DST/Aids. Temas em Psicologia, v. 21, n. 3, p. 1089-1106, 2013.

SCHRAIBER, L. B. Pesquisa qualitativa em saúde: reflexões metodológicas do relato oral e produção de narrativa em estudo sobre a profissão médica. Rev. Saúde Pública, v. 29, n. 1, p. 63-74, 1995.

SCHRAIBER, L. B. No encontro da técnica com a Ética: o exercício de julgar e decidir no cotidiano do trabalho em Medicina. Interface (Botucatu), v. 1, n. 1, p. 123-140, 1997.

SCHRAIBER, L. B.; MENDES-GONÇALVES, R. B. Necessidades de saúde e atenção primária. In: SCHRAIBER, L. B.; NEMES, M. I. B.; MENDES-GONÇALVES, R. B. (Org.). Saúde do adulto: programas e ações na unidade básica. São Paulo: Hucitec, 2000, p. 29-47.

TEIXEIRA, R. R. Humanização e Atenção Primária à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 10, n. 3, p. 585-597, 2005.

UNAIDS. UNAIDS calls for a virtual elimination of mother to child transmission of HIV by 2015. Geneva, 2009.

Publicado
2018-07-12
Seção
CIências da Saúde